Funcionários conquistam implantação do SESMT e negociações sobre CCP

46

A Contraf-CUT e o Banco do Brasil realizaram, nos dias 2 e 3/7, em Brasília, a primeira negociação permanente da minuta de reivindicações do Congresso dos Funcionários do BB, organizado entre os dias 24 e 26 de abril. Foram tratados na mesa temas como saúde dos trabalhadores, CCP, CSO/USO, certificação dos gerentes e alterações no TAO. Já nesta semana serão definidos calendários para a continuidade das mesas temáticas de Saúde e CCP. O banco irá se posicionar em relação às reivindicações na próxima reunião.


Depois de muita cobrança dos sindicatos e da intervenção do Ministério Público Federal, o BB foi obrigado a assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que define a implantação na empresa do SESMT, conforme previsto na Norma Regulamentadora 4 do INSS. O banco deve agora verificar internamente quais as pessoas que têm qualificação e interesse para assumir postos na carreira técnico-científica e depois realizar um concurso público para preencher as vagas restantes.

PLANO ODONTOLÓGICO – Os trabalhadores cobraram mais uma vez a implantação do plano odontológico da Cassi. O banco afirmou que enfrentou diversos problemas com a Cassi que impediram a implantação. Foi assinado um termo de compromisso entre o BB e a Contraf-CUT prorrogando o prazo para 31/01/2010, dentro do qual o banco se comprometeu a resolver o problema. “O banco não cumpriu o acordo e a ANABB, que está no comando da Cassi, quer empurrar um plano privado aos funcionários”, afirmou o representante da Fetec/NE na Comissão de Empresas dos funcionários do BB, Carlos Eduardo.


Em relação ao exame periódico de saúde, foi realizado um grande debate com os representantes dos trabalhadores sobre possíveis alterações no exame. Ficou definido que será realizada uma nova rodada da mesa temática de Saúde, na qual estarão presentes também a Cassi (que realiza o exame periódico) e técnicos de ambos os lados.

CCP – Houve consenso de que é necessário renegociar o contrato, tendo em vista os problemas que ocorreram durante a operacionalização das conciliações. Um novo calendário será definido para retomar as negociações para que o modelo possa ser retomado.

CSO – Os representantes dos bancários mais uma vez afirmaram que o banco comete um equívoco ao tentar centralizar os serviços, além de causar inúmeros transtornos para seus trabalhadores. Infelizmente, a empresa reafirmou sua intenção de manter os princípios do pacote lançado em março de 2007, que prevê a criação da CSO.

CERTIFICAÇÃO E ALTERAÇÕES NO TAO – Foi cobrado do banco que garanta no mínimo mais uma possibilidade para os gerentes de módulo avançado que não cumpriram as regras de certificação previstas em 2007. A empresa informou que estudará a proposta apresentada pelo movimento sindical que prevê que quem ainda não cumpriu a norma tenha prazo até dezembro.