Funcionários do Santander fazem protesto e pedem o fim das demissões

15


Os bancários realizam no dia 19/12, um Dia Nacional de Luta no Santander, fazendo protestos em todo País contra o descaso do banco com o emprego e as condições de trabalho. Uma carta aberta foi distribuída pelos Sindicatos aos clientes e usuários, retratando o drama das demissões para as famílias dos bancários.


Na carta aberta, de um lado, aparece a imagem de um menino com a frase “Santander, não demita meu pai” e segurando um cartaz dizendo “Respeite o Brasil e os Brasileiros”, e, no outro lado, um texto com o título de “Queremos Natal e Ano Novo sem demissões”. Há também outra versão com a frase “Santander, não demita minha mãe”.


O Santander é hoje o banco que mais está demitindo no Brasil. Até na véspera do Natal. Nos primeiros nove meses de 2013, conforme estudo do Dieese, o banco fechou 3.414 postos de trabalho, na contramão da economia brasileira, que gerou 1,3 milhão de vagas no período. Entre setembro de 2012 e 2013, a redução foi de 4.542 empregos, uma queda de 8,2% no quadro de funcionários.


Para o banco, as demissões são normais. Mas para os bancários são injustificáveis. O Santander obteve lucro de R$ 4,3 bilhões até setembro no Brasil, o que representa 24% do lucro mundial, o maior resultado entre todos os países onde o banco atua.


Com tantas demissões, faltam cada vez mais funcionários nas agências, causando sobrecarga de serviços, assédio moral, estresse, insegurança e adoecimento de bancários, piorando as condições de trabalho e prejudicando a qualidade de atendimento aos clientes. Pioraram até os serviços de limpeza, uma vez que para reduzir custos as agências passaram a ter somente algumas horas de faxina por dia.


Como se não bastasse, o Santander terceirizou os prepostos nas homologações junto à maioria dos sindicatos. A medida vem sendo combatida pelas entidades, que enfrentam também as práticas antissindicais do banco para tentar calar os bancários.


Não é à toa que o Santander foi o campeão do ranking de reclamações de clientes no Banco Central em 2013. Além disso, cobra altas taxas de juros e tarifas abusivas dos clientes, enquanto gasta milhões de reais com o patrocínio da Copa Libertadores e da Fórmula 1.


No Natal e Ano Novo, os bancários não pediram peru, nem panetone e nem lembrancinha do Santander, mas exigiram um novo modelo de gestão, com o fim das demissões, rotatividade, corte de empregos, terceirizações, metas abusivas e adoecimento de funcionários. Os bancários reivindicam mais contratações, melhores condições de saúde, segurança e trabalho, igualdade de oportunidades e valorização dos aposentados.