Funcionários elegem delegados e definem temas ao 26º Encontro Nacional

13


Reunidos no Encontro Estadual dos Funcionários do Banco do Brasil, realizado em 30/5, em Fortaleza, os bancários elegeram oito delegados e os temas que serão levados ao 26º Congresso Nacional dos Funcionários do BB, que acontece de 12 a 14/6, em São Paulo. Na definição dos temas específicos para a Campanha Salarial 2015, foram destacados: mais contratações de pessoal, melhores condições de trabalho, incorporação de função, combate ao assédio moral, fim da lateralidade e combate à terceirização, entre outros.


Na Campanha 2014, os bancários do Banco do Brasil garantiram, pelo 11º ano consecutivo, aumento real de salário. De 2004 a 2014, esse ganho real acumulado no piso e no Plano de Cargos e Salários (PCS) chegou a 40,23%. Isso mostra que nossa mobilização é fundamental para arrancarmos novas conquistas.


Acompanhe os principais temas aprovados


Mais contratações: É visível que precisamos aumentar ainda mais o quadro de funcionários dentro das agências para atendermos dignamente e com condições de trabalho ideais. O banco até cumpriu o acordo coletivo com relação às novas contratações, mas cortou 560 postos de trabalho. É preciso contratar.


Combate à terceirização: É importante que os funcionários do BB se mobilizem na campanha contra o PL 4330, da terceirização, que legaliza a terceirização sem limites no Brasil, já aprovada pela Câmara dos Deputados e segue para o Senado. Temos de manter a nossa mobilização forte para derrubarmos esse projeto de uma vez por todas. Os salários serão achatados correndo o risco até de termos agências sem bancários.


Combate ao assédio moral: Cada vez mais no BB são metas absurdas, desrespeito e assédio moral levando muitos bancários ao adoecimento. As estratégias adotadas pela direção do banco pouco ou nada diferem daquelas utilizadas nas empresas privadas.


Incorporação de função: A incorporação de função no BB, mesmo após dez anos, só tem se dado por via judicial. A reivindicação é que, a cada ano, o bancário tenha incorporado à sua verba fixa o valor de 10% da função. E isso não tem impacto financeiro para o banco e ainda afasta o medo que o bancário tem de ser descomissionado.


Descanso efetivo de 15 minutos para mulheres: Sobre o descanso de 15 minutos para mulheres que fizerem horas extraordinárias (artigo 384 da CLT), cobra-se que o BB faça a alteração efetiva no ponto eletrônico das mulheres, criando o registro do intervalo e que, até que se faça o registro efetivo, o banco pague a hora extra integral sem desconto dos 15 minutos.


Fim da lateralidade: A reivindicação é que as pessoas que substituem cargos de maior nível, que elas recebam efetivamente por isso. Pleiteamos que o funcionário não substitua só na função, mas também na remuneração.


Melhorias para a Previ: Já deliberada nos congressos de funcionários do BB, a reivindicação é o resgate de 100% das contribuições caso o bancário saia do plano, melhoria nas condições de empréstimos simples, redução das taxas de administração, entre outros temas.


Pela sustentabilidade da Cassi: Os funcionários acreditam que é melhor investir na prevenção da saúde dos funcionários, que deve ser mantido o princípio da solidariedade e também a assistência aos funcionários ativos e aposentados. Defendem a Estratégia de Saúde da Família (ESF) e as CliniCassis.