Funcionários entregam pauta específica dia 22/8

18

A Comissão Nacional dos Funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (CNFBNB/Contraf-CUT) fará a entrega da pauta específica do funcionalismo na sexta-feira, dia 22/8, às 15h, no Passaré. O documento será entregue ao presidente da instituição, Roberto Smith.


Em seguida, a Comissão Nacional se reúne com a Superintendência de Desenvolvimento Humano do Banco para mais uma rodada de negociação da mesa permanente.


A pauta específica dos funcionários do BNB foi deliberada durante o XIV Congresso Nacional dos Funcionários, realizado nos dias 8 e 9/8, em Parnaíba (PI). Entre as principais reivindicações do funcionalismo do banco estão: melhorar o sistema de ponto eletrônico; a volta da licença-prêmio ou de um benefício semelhante a ela; revisão do Plano de Cargos e Remuneração (PCR); PLR mais justa e compatível com a que for paga pelos demais bancos federais; implantação de um novo plano de funções e comissões que contemple todos os funcionários; isonomia de tratamento entre novos e antigos funcionários; negociação dos passivos trabalhistas; plano de previdência complementar para todos; entre outros benefícios.


O coordenador da Comissão Nacional, Tomaz de Aquino, espera que as negociações da pauta específica ocorram de forma célere e atendendo às necessidades dos bancários do BNB. “A nossa expectativa é que o processo negocial transcorra realmente em concomitância com as negociações da Fenaban, para que o acordo coletivo específico dos funcionários seja fechado junto com os demais bancos e seguindo os mesmos parâmetros adotados por eles”, concluiu.

LUCRO – O BNB divulgou, no último dia 13/8, o lucro do banco no primeiro semestre deste ano: R$ 205,1 milhões. O valor é 168% maior que o registrado nos seis primeiros meses de 2007 (R$ 76,5 milhões). Em todo o ano passado, o lucro foi de R$ 219 milhões. Com o resultado, o banco alcançou o patrimônio líquido de R$ 1,726 bilhão em junho deste ano, enquanto em dezembro de 2007, era de R$ 1,602 bilhão. “A nossa expectativa é que, com essa lucratividade, o banco reconheça o esforço dos funcionários e recompense aqueles que trabalharam duro para conquistar esses resultados. Diante desses números, o banco demonstra que é possível atender nossas reivindicações”, afirmou Tomaz.