Funcionários fazem paralisação e Banco do Brasil prorroga prazo para reestruturação

8


Em Dia Nacional de Luta, no dia 10/11, o Sindicato dos Bancários do Ceará e funcionários do Banco do Brasil, paralisaram a Gecex Fortaleza durante duas horas, exigindo a imediata suspensão da reestruturação e da extinção daquela unidade. Durante o ato, o presidente do Sindicato, Carlos Eduardo Bezerra enfatizou o prejuízo que essa reestruturação causará à vida dos trabalhadores, bem como ao desenvolvimento do Estado e do Nordeste.


Segundo o dirigente sindical, “seguindo orientação nacional da Contraf-CUT, o ato é para denunciar, protestar e para cobrar a suspensão dessa reestruturação que não serve a nenhuma estratégia do banco, mas aos interesses dos tecnocratas do BB. A postura do Sindicato ao lado dos funcionários tem sido de resistência e a manifestação é uma forma de contestar a arbitrariedade da medida adotada pela direção do Banco do Brasil”.


Os dirigentes sindicais reafirmaram que a defesa do fim do processo de reestruturação é em virtude, principalmente, de diversos problemas detectados com enormes prejuízos aos funcionários. Nessa unidade de Fortaleza com extinção já anunciada, constatou-se que haverá perda de cargos e funções, e não há garantias para os funcionários envolvidos.


BB prorroga prazo para reestruturação – Em resposta ao ofício enviado pela Contraf-CUT e às manifestações em todo o País, o Banco do Brasil informou que haverá extensão do prazo para readequação do quadro das dependências até 12 de janeiro de 2015. O banco também reforçou o compromisso em dialogar com as entidades representativas dos funcionários no sentido de minimizar os impactos com realocação das pessoas envolvidas no processo.


Audiência pública em Fortaleza – Para fortalecer a luta contra a extinção da Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior do Banco do Brasil (Gecex Fortaleza), o Sindicato dos Bancários do Ceará solicitou apoio dos parlamentares e conseguiu a realização de audiência pública na Câmara Municipal de Fortaleza, na próxima quarta-feira, dia 19, às 14 horas. Participarão da audiência, além do Sindicato, representantes da Contraf-CUT, Caref, Fetrafi/NE e do Banco do Brasil.


“A prorrogação é resposta da luta dos trabalhadores e suas entidades, mas ainda é insuficiente para a solução de todos os problemas. Vamos continuar insistindo na suspensão da reestruturação e obter garantias de que não haverá perdas para os funcionários”
Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará