Fusões e aquisições alteram mercado brasileiro de bancos

23

A compra da metade do Banco Votorantim pelo Banco do Brasil é mais um passo rumo à grande alteração que vem ocorrendo no sistema financeiro nacional no último ano. Hoje, praticamente todos os grandes bancos que atuam no País estão, de alguma forma, envolvidos em fusões, aquisições e incorporações.


A história recente de vendas começou no final de 2008, quando o Santander comprou o Real e se transformou no terceiro maior banco do Brasil, ultrapassando o Itaú e ficando atrás do Banco do Brasil e Bradesco. A compra deu início a outras fusões e aquisições que continuam alterando o ranking dos bancos.


O Itaú, que havia perdido a terceira posição, reagiu em novembro passado, ao anunciar a fusão com o Unibanco, que então era o sexto maior banco do País. Com o fechamento do negócio, a holding transformou-se no maior banco do Brasil e no maior grupo financeiro do Hemisfério Sul.


O Banco do Brasil, que se mantinha na liderança absoluta entre os bancos, busca alterar o quadro desde novembro passado, quando adquiriu a Nossa Caixa, então décima maior instituição financeira do País. Agora, ao adquirir metade das ações do Votorantim, que era o oitavo maior banco brasileiro, o BB encosta no Itaú/Unibanco, mas ainda não reassume a liderança do ranking.


Para garantir sua volta ao topo, o governo federal enviou ao Congresso Nacional uma medida provisória que autoriza os bancos federais a comprar ou se associar a outras instituições financeiras. Antes, não havia essa permissão. Atualmente, o BB negocia a compra de dois bancos estaduais: o BRB (Banco de Brasília) e o Banestes (Banco do Estado do Espírito Santo). Caso feche negócio com um dos dois, o BB ultrapassará o Itaú/Unibanco na liderança do ranking nacional dos bancos por ativos.


Esta movimentação dos bancos é sempre preocupante para os trabalhadores. As fusões e aquisições costumam ser extremamente prejudiciais para os empregos. Este tipo de negócio já acabou com cerca de 250 mil postos de trabalho dos bancários de 1993 até 2008. Essa nova onda levou a CUT a fazer uma campanha permanente pela manutenção dos empregos. Quer ainda conquistar garantias formais para os trabalhadores em diversas frentes, que vão desde a negociação banco a banco até a pressão para que o Congresso Nacional aprove uma legislação específica que proteja os empregos.