Gerentes denunciam pressões abusivas

21


A rotina de trabalho dos gerentes do Bradesco está cada dia pior. Os trabalhadores denunciam que não aguentam mais tanta pressão e assédio moral, o que é agravado ainda mais por uma política de gestão e cobrança de metas focada na intensa pressão imposta pelas diretorias regionais. Essa realidade é vivida em São Paulo.


Além da pressão para o cumprimento de metas (Evoluir); da exigência de, em média, duas visitas diárias; da cobrança por uma quantidade enorme de ligações aos clientes; do encarteiramento e abertura de contas; os gerentes do Bradesco estão sendo pressionados a extrapolar suas metas por conta do incentivo a concorrência dentro do banco.


SMART – Outra questão que tem tirado o sono dos gerentes do Bradesco é o programa Smart, no qual o cliente avalia o contato do banco por meio de um SMS.


Os gerentes precisam entregar um número elevadíssimo de contatos com clientes, que muitas vezes chega a 200 ligações. Isso, somado a todas as suas outras atribuições e metas, leva a uma sobrecarga enorme de trabalho. No Smart, se o gerente tiver a partir de dois Nãos ele é penalizado e toda a agência perde pontos no Programa de Objetivos, inviabilizando a premiação dos funcionários. Isso sem falar que o gerente sofre ameaças diretas e indiretas de demissão.


ASSÉDIO E ADOECIMENTO – A gestão do Bradesco focada em pressão e a concorrência leva também ao aumento do assédio moral, inclusive com cobrança de metas no WhatsApp. Além disso, são feitas pesadas cobranças por meio de áudios enviados a todos os gerentes em seus locais de trabalho. A concorrência e a pressão absurda estimulam o assédio moral, que leva ao adoecimento físico e psíquico dos trabalhadores. As cobranças são diárias, independente do dia do mês.



“O bancário é penalizado pelo programa Smart, assediado moralmente, recebe cobrança via WhatsApp, é pressão para o cumprimento semanal de metas de vendas de produtos. Isso é um absurdo! Nós vamos cobrar do banco rever essa política de gestão”
Telmo Nunes, diretor do Sindicato e funcionário do Bradesco