Greve de 1986 começou com paralisação no Bradesco

21

Cerca de 700 funcionários do Bradesco paralisaram em 1986 suas atividades no Centro da cidade, em decorrência de uma greve de 24h nas três principais agências da instituição: Centro, na Major Facundo com Senador Alencar; Iracema, Senador Pompeu e a da Floriano Peixoto.

A paralisação foi uma iniciativa do Sindicato dos Bancários do Ceará, com total apoio dos bancários, durante a campanha salarial daquele ano. Ainda em 1986, os bancários iriam aderir a uma greve de cunho nacional.

Os bancários reivindicavam reajuste salarial de 26,5% para compensar as perdas decorrentes dos pacotes econômicos, mais a inflação acumulada de março a agosto/86; aumento real de 10% a título de produtividade; reajuste automático dos salários de todos os bancários sempre que a inflação atingir 5%; reposição de 100% das perdas salariais; além de pleito relativo à estabilidade no emprego para todos os bancários, garantida pela Convenção Coletiva de Trabalho.

A paralisação de 24 horas das agências do Bradesco foi uma importante vitória do Sindicato dos Bancários. Para evitar represálias, pois até a Polícia foi chamada, o Sindicato organizou um sistema de rodízio dos bancários, para que nenhum piquete fosse formado por funcionários daquela agência. O Sindicato organizou ainda um forró na frente das agências – o Forró dos 100%. A categoria reivindicou naquele ano 100% de reposição salarial, mas devido aos duros anos que a economia brasileira enfrentava, só conseguiram o que garantia a lei salarial.