GT define proposta a ser referendada na mesa das negociações permanentes com a Caixa

37

O Grupo de Trabalho instituído para construir um novo modelo de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) na Caixa Econômica Federal chegou a uma proposta, pela qual se assegura, como premissas básicas, que seja mantida a aplicação da regra da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e que sejam incluídas no total de recursos para distribuição, após aplicação da regra básica da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria bancária, eventuais sobras em relação ao limite estabelecido pelo governo de 11,25% do lucro líquido das empresas estatais. A PLR adicional na Caixa (4%) foi considerada fora do alcance atribuído ao GT.


As reuniões do GT da PLR ocorreram nos dias 8, 9 e 14/3, em Brasília. O fórum foi composto paritariamente, com representantes indicados pela Caixa e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT).


Para assegurar a distribuição de eventuais sobras dos 11,25% do lucro líquido, a proposta do GT é de que se proceda a uma alteração para mais no teto e no percentual do salário previsto na regra da Fenaban. Eventualmente, poderia ocorrer também o aumento da parcela fixa. Ou seja: o debate é no sentido de que seja estabelecido um programa que distribua eventuais diferenças ou sobras entre o valor distribuído pela regra básica da Convenção Coletiva, cujo limite é de 15%, e o teto definido pelo governo federal.


A regra básica definida na mesa da Fenaban em 2011 foi de 90% do salário mais R$ 1.400,00 fixos, com teto de R$ 7.827,29. Pela proposta do GT, caso a aplicação da regra Fenaban não ultrapasse o limite de 11,25% do lucro líquido, esses valores poderiam ser elevados, por exemplo, para 95% do salário e teto de R$ 9.000,00.


Ainda na reunião com a Caixa, entre as premissas fundamentais que a proposta própria de PLR precisa contemplar, os representantes dos empregados elencaram a não-vinculação de metas e a garantia de um modelo que abranja todos os bancários.


Para o coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) e diretor vice-presidente da Fenae, Jair Ferreira, a discussão em torno de um novo modelo de PLR é importante, e certamente estará entre os temas prioritários da campanha salarial 2012, quando os trabalhadores esperam concluir uma proposta satisfatória.