Hora de Definição (Parte Final)

67

Lúcio Alcântara é o provável candidato do PSDB/PFL ao governo do Estado, apesar da descompostura e desqualificação pública feitas recentemente pelo irritado e truculento senador Tasso Jereissati. É fato que Lúcio faz um governo medíocre agora maculado com inúmeras acusações de irregularidades, com destaque para as que motivaram o requerimento da CPI das licitações, de autoria do deputado estadual Nelson Martins, até agora barrada pelos cambebistas na Assembléia Legislativa.

A análise sobre o desempenho do governo Lúcio deve ser rigorosa. Ela representa um momento na trajetória de vinte anos ininterruptos do projeto do Cambeba. Aquele é parte deste.

Nada melhor do que alguns dados para estampar o resultado das políticas públicas do PSDB/PFL: quase metade dos cearenses vive com até R$ 150, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Já os dados do Laboratório de Estudos de Pobreza da UFC mostram um Estado ainda mais pobre. Para o LEP/UFC 61% dos cearenses vivem na linha de pobreza.

Para um Estado pobre como o nosso, crescer com distribuição de renda deve ser a prioridade absoluta da política econômica. Os vinte anos de “mudancismo” foram medíocres no combate à pobreza, foram anos de desprezo à participação da sociedade civil e mesmo no ângulo do crescimento econômico os números são menores comparativamente a outros estados nordestinos. Esgotou-se, enfim, o projeto cambebista.

O PT/PSB/PC do B, como um núcleo a ser ampliado, podem oferecer uma alternativa política aos cearenses. Têm militância, intelectuais, acúmulo em áreas administrativas e maturidade para a construção de um novo projeto que, necessariamente, deve ir além dos nomes que deverão incorporar tal projeto como o ex-prefeito de Sobral Cid Gomes (PSB) e o ex-vereador de Fortaleza, Prof. Pinheiro. Esta chapa majoritária no plano dos nomes se fortalecerá ideologicamente se o nome para o Senado for o de Inácio Arruda (PC do B). As siglas partidárias de esquerda e os nomes com densidade e credibilidade devem ser o ponto de partida para as mobilizações e discussões programáticas como convém a quem quer ver a participação popular viva em todos momentos.