Hora de definição (Parte I)

68

O cidadão comum está impossibilitado de formar uma opinião própria sobre a conjuntura por que passa o País, o Estado do Ceará e a cidade de Fortaleza a partir do retrato da maioria das revistas, jornais e canais de tv do País. Há um foco de apresentação das notícias principalmente as nacionais que deforma a realidade e chega mesmo a alterar os fatos em si.

O Brasil já passou por situações semelhantes. Vargas (também) sofreu uma intensíssima campanha de calúnias que culminou com seu suicídio. Carlos Lacerda e a UDN vociferavam contra o mar de lama do presidente da época e a imprensa repercutia e amplificava o discurso para desestabilizá-lo. O instrumento de comunicação da época era principalmente o rádio que, num primeiro momento, serviu de ponte para a direita ludibriar o povo; num segundo momento, estas mesmas rádios foram depredadas pela população como vingança ao engodo histórico a que fora submetida.

O PSDB e o PFL , a direita da atualidade, tentam fazer com Lula o que a UDN fez com Vargas. “Este é o governo mais corrupto da história brasileira” – dizem eles e obtêm enorme repercussão na imprensa nacional.

Vivemos horas de definição. Estão conformados três grandes blocos político-ideológicos que disputam mentes e corações. O bloco de direita – PSDB/PFL, o bloco de extrema-esquerda (PSTU/PSOL) e o bloco de esquerda ampliada (PT/PC do B/PSB e parte do PMDB). Nossa identidade aponta para este último como portador de nossas potencialidades e esperanças.

O governo Lula certamente não avançou na velocidade desejada por nós todos. Entretanto seus avanços inegáveis na reconstituição do Estado brasileiro (vide concursos públicos), na política externa autônoma, nas políticas sociais que abrigam as necessidades dos mais pobres nos levam a um pronunciamento claro no sentido de que estamos do lado de Lula para fazer avançar os direitos dos trabalhadores e estamos claramente nos opondo a qualquer possibilidade de retrocesso – o que se daria com um eventual retorno dos tucano-pefelistas ao governo Federal.

Voltaremos ao assunto falando sobre Lula, Lúcio e Luizianne.