IMPORTANTES CONQUISTAS

26

Através de campanhas salariais fortes, o Sindicato dos Bancários têm conquistado na última década importantes direitos para a categoria. Em 2009, por exemplo, prevaleceu principalmente a união do movimento sindical e a mobilização de todos. Contra a intransigência dos banqueiros, todas as estratégias foram usadas: outras entidades foram convocadas para vencer os paredões de segurança privada nas portas do edifício sede da Caixa Econômica; para combater os famigerados interditos proibitórios, arbitrariamente utilizados contra a ação dos trabalhadores, foram feitos inúmeros apitaços, almoço social dentro de uma unidade do Bradesco e até protestos em um jogo do Circuito de Vôlei de Praia do Banco do Brasil. A criatividade, a união e o bom humor deram certo, e os bancários arrancaram aumento real por mais um ano, além de algumas conquistas sociais importantes:

LICENÇA-MATERNIDADE DE SEIS MESES – Nos últimos anos, o movimento sindical intensificou campanhas em torno do tema e teve atendido a reivindicação de ampliar a licença-maternidade de quatro para seis meses, passando a ser uma cláusula na convenção coletiva. Para a ampliação, o banco deve fazer adesão ao Programa Empresa Cidadã, instituído pela Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008 e também, solicitação escrita da empregada até o final do primeiro mês após o parto.

ISONOMIA PARA HOMOAFETIVOS – Pela primeira vez, foi incluída uma cláusula na convenção coletiva que assegura a isonomia de direitos para homoafetivos. Sendo assim, as regras previstas na Convenção Coletiva para os cônjuges dos bancários serão garantidas para os parceiros de bancários e bancárias com relação homoafetiva. A comprovação da condição de parceiro(a) se dará com base nas mesmas exigências estabelecidas pela Previdência Social. Qualquer dúvida com relação à união estável e previdência social, o bancário pode procurar o Departamento Jurídico do Sindicato, que funciona de segunda a sexta, das 8h às 14h.

IGUALDADE DE OPORTUNIDADES – O acordo com os bancos traz novos avanços. Estão incluídas as diretrizes do Programa de Valorização da Diversidade, construído a partir do Mapa da Diversidade, onde consta, por exemplo, a democratização do acesso à população negra nos bancos e o encarreiramento das mulheres, que somam quase metade da categoria.



“Nos 77 anos do Sindicato dos Bancários do Ceará, (fundado em 21 de fevereiro de 1933) comemoramos conquistas de lutas e greves. A garantia da jornada de seis horas de trabalho (1934); a unificação da data-base dos bancários (1985); a filiação CUT (1989) e a assinatura da 1ª Convenção Coletiva (1992) que passou a valer para todos os bancários do País em 2005 são alguns exemplos. Precisamos continuar avançando nas conquistas para os bancários e para o povo brasileiro, consolidando um projeto democrático e popular no Brasil. Melhores condições de trabalho, aumento de empregos, redução da jornada, melhor remuneração são nossos principais desafios”.

Carlos Eduardo Bezerra, presidente do SEEB/CE e funcionário do Banco do Brasil



“O Sindicato, ao longo de sua existência, tem sido um instrumento importantíssimo na busca do exercício da cidadania e do fortalecimento da democracia entre as instituições. Além disso, a entidade tem feito de forma incessante a defesa dos direitos dos trabalhadores na sua plenitude”.

Ribamar Pacheco, secretário de Esporte e Lazer do SEEB/CE e funcionário do Itaú Unibanco



“Durante toda a sua existência, o Sindicato dos Bancários participou de vários momentos históricos no País desde a ditadura, passando pela década de 80 quando surgiu o início da luta pelas Diretas Já. O SEEB/CE organizou grandes greves que trouxe conquistas importantes como a contratação de um acordo nacional para toda a categoria bancária. Outro marco histórico foi a luta contra a privatização dos bancos públicos no final dos anos 90. Os 77 anos da entidade é um momento de alegria, mas também de muita responsabilidade para enfrentarmos a luta em defesa da categoria como também da sociedade cearense”.

Eugênio Silva, secretário de Saúde do SEEB/CE e funcionário do Real/Santander