Isonomia entre novos e antigos avança no Acordo 2007/08

16

O Acordo Coletivo dos Funcionários do BNB, assinado no dia 7/3, foi um dos mais vantajosos para o funcionalismo dentre os fechados nos últimos anos. Conquistado durante inúmeras reuniões de negociação entre a Superintendência de Desenvolvimento Humano e a Co- missão Nacional dos Funcionários (CNFBNB/Contraf-CUT), o Acordo deste ano traz conquistas importantes como: aumento real, 13ª Cesta Alimentação, empréstimo de férias para os novos funcionários, indenização de folgas e ausências abonadas, instalação do ponto eletrônico, além do cumprimento de todas as cláusulas econômicas previstas na Convenção Coletiva da Fenaban. Todos os benefícios retroativos a 1º/9/2007.


Uma outra conquista foi que em 2007 o banco ocupou, pela primeira vez, assento na mesa de negociação entre a Contraf-CUT e a Fenaban – um passo importante diante da intransigência vivenciada e tão conhecida pelo funcionalismo do BNB há poucos anos atrás, na gestão Byron.


É importante ressaltar também que todo o processo de negociação entre o banco e as entidades representativas é totalmente democrático e transparente, com divulgação ampla pelas entidades em seus meios de comunicação. Além disso, a aprovação do Acordo Coletivo é feita em assembléia específica dos funcionários do BNB, cabendo ao quadro funcional deliberar sobre a aceitação ou não do Acordo, assim como esse é o fórum utilizado para discutir todas as formas de mobilização do funcionalismo durante a campanha salarial.


PLR – O pagamento da Participação nos Lucros e Resultados aos funcionários do BNB foi um dos principais pontos de divergência entre a Comissão Nacional e o BNB. Os representantes das entidades reivindicaram sempre o cumprimento da Convenção da Fenaban com relação a esse benefício. No entanto, segundo resolução do DEST, há um limite previsto que varia conforme o lucro apresentado pelo BNB, não podendo o banco extrapolar esse limite. “Lutamos sempre para conquistar o melhor para os funcionários. Infelizmente nem sempre é possível. Por exemplo, o adicional da PLR, mesmo sendo o segundo ano consecutivo que é pago aos funcionários dos demais bancos, mais uma vez os bancários do BNB não tiveram direito a esse benefício e essa é uma de nossas metas para o próximo acordo”, afirmou o coordenador da CNFBNB/Contraf-CUT, Tomaz de Aquino.


COMPARATIVO ENTRE OS ACORDOS SALARIAIS 2007/2008

DOS BANCOS PÚBLICOS FEDERAIS