Jornal O Povo monta praça de guerra para receber jornalistas em manifestação

23

As categorias-irmãs, jornalistas e gráficos somaram forças contra o desrespeito dos empresários de jornais e revistas do Ceará, organizaram manifestação de protesto na última sexta-feira (6/3), a partir das 11 horas, em frente ao jornal O Povo. A empresa preparou forte esquema de segurança armada para receber os trabalhadores e houve tumulto, conflito entre os seguranças e os jornalistas e gráficos. Vários sindicalistas de diversas entidades, inclusive a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e demais Centrais, prestaram solidariedade àquelas categorias, levando apoio aos manifestantes. O Sindicato dos Bancários do Ceará levou seu apoio, com a presença de vários diretores da entidade.


O protesto teve como motivo protestar contra a falta de interesse do patronato em voltar às negociações da campanha salarial. A campanha dos jornalistas de impresso se arrasta desde setembro de 2008 e a dos gráficos desde novembro.


Enquanto isso, a contratação do serviço de segurança armada consumiu nada menos que R$ 12 mil por dia, segundo informações da própria empresa contratada. O jornal O Povo ofereceu um reajuste de R$ 2,74 por dia aos jornalistas. O jornal obteve um lucro de R$ 1,78 milhão em 2007, segundo o balanço da empresa publicado no Diário Oficial do Estado, mas se nega a oferecer um reajuste digno para seus empregados e ainda ameaça demitir quem participa do movimento.