Juros ao consumidor sobem, crédito cai e ameaça o emprego e os salários

36

A advertência que a Contraf-CUT já fazia em dezembro último, sobre os riscos que os trabalhadores estavam correndo em razão das medidas de contenção do crédito e do aumento da taxa básica de juros (Selic), está infelizmente se confirmando. Como mostram os jornais da quinta-feira 27, citando dados do Banco Central, as taxas de juros ao consumidor subiram 4,5% ao ano para as pessoas físicas nos primeiros 12 dias de janeiro, provocando uma redução média de 8% nas concessões de crédito.


Para a Contraf-CUT, o aumento da Selic é ruim por vários motivos. “Em primeiro lugar, porque o crédito é um componente importante para o desenvolvimento econômico, que pressupõe crédito barato para gerar emprego e renda. O aumento da taxa Selic, portanto, diminui a busca por crédito e, consequentemente, os investimentos, o que coloca os salários e o emprego em risco”, critica Carlos Cordeiro, presidente da Confederação.


Em segundo lugar, a taxa Selic é um componente importante do lucro dos bancos e dos investidores. “A Selic representa um terço do lucro dos bancos. Ou seja, os recursos da União captados da população, em vez de serem investidos em moradia, educação, estradas e na geração de empregos, vai remunerar ainda mais o lucro dos bancos”, acrescenta Carlos Cordeiro. “Por isso, a taxa Selic e o spread bancário, que as autoridades monetárias deveriam combater, são o grande programa de transferência de renda aos banqueiros e grandes rentistas”.