Justiça corta salários dos empregados e Sindicato ajuda com cestas básicas

6


Na sexta-feira, dia 25/4, o Sindicato dos Bancários do Ceará fez a entrega de 35 cestas básicas ao Sindicato dos Trabalhadores dos Correios, em solidariedade aos empregados que tiveram descontados 15 dias dos seus salários por decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), por considerar a greve dos Correios ilegal e abusiva. Com os cortes nos salários por ordem da Justiça, alguns trabalhadores chegaram a receber contracheques zerados.


No Ceará, cerca de 350 funcionários ficaram sem pagamento neste mês como uma forma de retaliação ao movimento grevista. Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra, “não devemos olhar só para nosso próprio umbigo. Essa é uma postura de solidariedade política, solidariedade de classe trabalhadora. Essa doação é a representação simbólica dessa solidariedade”.


Apoio cutista ao direito de greve – A CUT e os Sindicatos dos Comerciários, dos Metalúrgicos e Rurais também apoiaram a iniciativa dos bancários aos companheiros dos Correios e, na ocasião, foram feitas manifestações em defesa do direito de greve. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios, Lourdinha Félix, disse que a “a Justiça está conivente com a modificação da cláusula do acordo coletivo dos Correios, para prejudicar os trabalhadores e ainda manda descontar 15 dias dos grevistas. O TST não reconhece o direito de greve constitucional. Se essa moda pega não precisa mais mobilizações, nem sindicatos. Repudiamos o governo federal e a decisão de cortar salários”.


Will Pereira, vice-presidente da CUT, destacou a união dos sindicatos cutistas aos trabalhadores dos Correios. “Vamos convocar mais sindicatos, fazer um grande ato para unir o movimento sindical em solidariedade aos companheiros. Vamos reforçar essa atitude de solidariedade”, disse.


Para o presidente dos Metalúrgicos, Fernando Chaves, “nosso sentimento é de indignação, quando trabalhadores tiveram seus salários violados. Somos parceiros desses trabalhadores, dessa categoria. A luta é pela unidade. Estamos juntos com o pessoal dos Correios para dizer que o nosso embate é contra esse sistema carcomido da Justiça do Trabalho”.


Francisco Gonçalves, secretário geral dos Comerciá-rios, disse: “a situação dos trabalhadores dos Correios é de massacre. Convocamos todos os trabalhadores para ajudar aqueles que precisam nesse momento. Fazemos parte dessa grande família ajudando uns aos outros. Estamos solidários aos companheiros dos Correios”.


=================


“Essa ocasião é oportuna para a defesa do direito de greve e contra a intervenção do poder normativo da Justiça do Trabalho”.

Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará