Justiça manda reintegrar bancária com LER do Itaú Unibanco em Pernambuco

32

Em novembro de 2008, no dia em que voltava do médico, que lhe pedira uma série de exames porque estava em tratamento de Ler/Dort, uma bancária foi demitida do Itaú Unibanco sob a alegação de “remanejamento do quadro de funcionários”.


Mesmo com a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) aberta, com o ombro inchado, a médica que fez seu exame demissional, depois de uma ligação ao banco, afirmou que ela “estava apta”. Antes, já fora demitida e readmitida com acompanhamento do Sindicato dos Bancários de Pernambuco.


Com tantas irregularidades, a trabalhadora procurou novamente o Sindicato e entrou com ação na Justiça para sua reintegração, que aconteceu no dia 18 de janeiro deste ano. “Fui reintegrada, com acompanhamento do Sindicato, mas a funcionária que recebeu a ordem da oficial de justiça me disse para esperar uma ligação em casa. Agora espero voltar a ter minha vida normal”, afirma.


Para evitar situações como essa, é necessário o bancário sempre procurar tratamento médico precoce nos casos de LER/DORT, pois isso ajuda a manter a qualidade de vida. “Trabalhar sim, adoecer trabalhando, não”. E também procurar o Sindicato para que haja acompanhamento dos casos e emissão de CAT sempre que necessário.