Lucro com tarifas aumenta receita dos bancos em 17% no primeiro trimestre

12

Os dados dos quatro maiores bancos de capital aberto do País, Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, apontam para uma alta de 17% na receita de tarifas e prestação de serviços no primeiro trimestre de 2012 em relação ao mesmo período do ano passado. O ritmo de alta deste início de ano supera o crescimento anual observado em 2011 e 2010, de 13% e 14%, respectivamente. Ou seja, o cliente é quem paga essa conta.


Com o processo de fusões, maior regulação do Banco Central e pressão por aumento de salários, entre 2009 e 2011 os bancos perderam eficiência ao se comparar a relação entre as receitas de serviços e as despesas com pessoal. Se em 2009 os bancos tinham R$ 138 de receita com serviços para R$ 100 gastos em salários, a relação caiu para R$ 135 no ano passado. No primeiro trimestre, o índice subiu para 142%, ante 137% um ano antes.


Em um momento em que se veem apertados por aumento da inadimplência e pressão do governo e da concorrência para baixar os juros, elevar a receita de serviços é visto como alternativa para os bancos manterem a rentabilidade. Ao menos é o que analistas esperam. Embora não haja uma onda de reajustes nas tabelas – apenas o Bradesco elevou um de seus pacotes em 14% no início do mês passado –, é possível notar uma movimentação das instituições ligada aos anúncios de reduções de juros.