Mais contratações para melhorar o atendimento

12

Em lugar de ajudar na luta contra o desemprego do País, os bancos fizeram exatamente o contrário: fecharam 2.224 postos de trabalho no primeiro semestre de 2009. Além disso, demitem trabalhadores com salários mais altos e contratam outros pagando menos, usando essa rotatividade para diminuir a média salarial da categoria.


Com a diminuição do número de trabalhadores, aumenta ainda mais a sobrecarga de trabalho de cada bancário, aumentado a pressão e o stress a que os trabalhadores são submetidos. Com isso aumenta também o número de doenças ocupacionais na categoria, que hoje está no topo das listas de vítimas de Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e doenças psíquicas (como Síndrome do Pânico, depressão e outras).


Essa situação explica um dos problemas enfrentados pelos clientes: as filas enormes. A sobrecarga de trabalho não permite que os bancários deem a cada cliente a atenção necessária. Para se ter uma idéia do processo de concentração de trabalho nos bancos, em 1997, cada bancário lidava em média com 67 contas correntes. Em 2007, esse número saltou para cerca de 260 contas por bancário, um aumento de 287,5%. Não tem trabalhador que aguente.


Para resolver essa situação, os bancários querem ampliar o horário de atendimento ao público, com a criação de mais um turno de trabalho. A medida que diminuiriam as filas, melhoraria o atendimento ao público, daria mais qualidade de vida aos trabalhadores dos bancos e criaria mais empregos. Tudo de bom. No entanto, os bancos não aceitam a proposta, preferindo manter seus lucros altos às custa dos abusos que cometem contra bancários e clientes. E continuam falando em responsabilidade social.

Denuncie os abusos dos bancos

• Ouvidoria dos bancos


• Banco Central: 0800.979.2345 (a ligação é gratuita para todo o Brasil)


• Idec: www.idec.org.br


• Procon/CE: 0800.275.8001