Mais empregados é a principal reivindicação dos trabalhadores da Caixa

8


Acelerar as contratações foi a principal cobrança dos empregados à direção da Caixa Econômica Federal, através da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) e da Contraf-CUT, no dia 26/5. Pelo Acordo Coletivo de Trabalho 2014/2015 a empresa deve contratar até o final deste ano mais dois mil novos empregados. Entretanto, o ritmo de admissões está muito aquém das necessidades reais do banco. Nos quatros primeiros meses de 2015, a Caixa cortou 977 empregos.


Outra preocupação dos trabalhadores é a vinculação da lotação das unidades à produtividade. A CEE/Caixa entende que, se a empresa mantiver essa política, há risco de fechamento de agências e precarização do atendimento à população carente.


Substituições – A Caixa tem adotado outras medidas que precarizam as condições de trabalho e restringem os direitos dos seus empregados. Uma delas foi a CE 055, em vigor desde 13 de abril, que restringe por períodos menores que sete dias, as substituições “em cascata” de empregados que executam temporariamente funções gratificadas e cargos em comissão.No dia 7/5, a CEE/Caixa reivindicou em ofício encaminhado a direção da empresa a revogação desta circular. Na negociação, os interlocutores do banco afirmaram que a empresa não pretende revogar a medida. Para a CEE, isso representa um desrespeito ao direito do empregado que substitui. A comissão manteve o pleito.


A Comissão Executiva dos Empregados cobrou também da Caixa o cumprimento da cláusula 56 do ACT, que prevê melhorias nas condições de trabalho dos tesoureiros. Outro segmento que o banco ainda não contemplou é a tecnologia. Na ata de fechamento do acordo 2014/2015, a Caixa se comprometeu a apresentar até o final do primeiro semestre desse ano uma proposta de carreira da TI. A CEE solicitou celeridade no processo.


Fóruns Regionais e Condições de Trabalho – Solicitada pela CEE/Caixa, ficou definida a prorrogação até 31/8 do prazo para conclusão dos trabalhos dos pilotos dos Fóruns Regionais de Condições de Trabalho, visando assegurar o aprofundamento dos debates. Os pilotos estão em andamento em Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo.Em Fortaleza já aconteceram duas reuniões do Fórum Regionais de Condições de Trabalho. O objetivo é buscar medidas para prevenir e combater problemas relativos ao cumprimento da jornada de trabalho, assédio moral, cobrança por metas abusivas e falta de estrutura das unidades.Ficou agendada para 16/6 a primeira reunião do Fórum Nacional de Condições de Trabalho.


Saúde Caixa – A CEE referendou o acordo para destinação do superávit do Saúde Caixa com uma ressalva, que a redução da redução da coparticipação de 20% para 15% entre em vigor em 1º/7. A Caixa defende que isto só ocorra a partir de janeiro de 2016 e informou que a reivindicação será levada para discussão. O acordo prevê ainda estudo para estender aos dependentes dos beneficiários um dos programas de promoção a saúde utilizados pelo banco e a remoção por ambulância em situações de emergência.


Incorporação do REB – A proposta de metodologia para incorporar o REB ao Novo Plano, já aprovada pelo Conselho de Administração da Caixa, ainda não foi enviada ao Dest, segundo informaram os representantes da Caixa.


A próxima reunião da mesa permanente de negociação será dia 20 de julho.