Manifestação deu o tom da indignação dos empregados no 27º dia de greve

13

           

Dando prosseguimento à greve na Caixa, em 20/10, quando chegou no seu 27º dia, dirigentes do Sindicato dos Bancários do Ceará realizaram uma manifestação em frente ao Edifício-sede do banco, localizado à Rua Sena Madureira, no Centro de Fortaleza. Dirigindo palavras à população e aos empregados que insistiam em “furar” o movimento, os sindicalistas mostraram-se indignados com a postura intransigente da direção do banco. O ato contou ainda com o apoio das rimas cômicas e reivindicatórias da dupla de emboladores Marreco e Jotinha.


Logo no início da manifestação, o diretor do SEEB/CE e empregado da CEF, Áureo Júnior, fez questão de repudiar a atitude truculenta do banco ao recorrer ao TST (Tribunal Superior do Trabalho) para tentar impedir o prosseguimento do movimento da categoria e classificou como uma “conquista” o não reconhecimento da abusividade da greve julgada pelo ministro João Oreste Dazalen, vice-presidente do TST.


O diretor Bosco Mota ressaltou que o movimento paredista continuaria firme até que uma proposta digna fosse apresentada e cobrou uma intervenção do Governo Federal no processo de negociação com a direção da Caixa Econômica. “Se for preciso que se substitua a presidência do banco e coloque gente que saiba negociar”. Os dizeres do sindicalista chamaram a atenção de diversos transeuntes, que pararam e acompanharam a manifestação até o fim.


Para Elvira Madeira, diretora do Sindicato, um banco responsável por tantas políticas públicas do Governo, como o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e “Minha Casa, Minha Vida”, não poderia tratar os seus empregados dessa maneira. Ela destacou uma das reivindicações dos bancários: “Não temos um corpo funcional suficiente. Queremos a capacidade de atender bem o público. Nós estamos lutando pela dignidade da população e do trabalhador da Caixa”.