Marcha das mulheres é destaque na Revista do Brasil de março

31

A edição de março da Revista do Brasil mostra que as mulheres continuam em marcha pela igualdade de direitos em todo o mundo. Lutam contra as marés de violência sexista, exploração do corpo feminino na mídia, criminalização do aborto e desrespeito à opção sexual. Nesse sentido, a ministra Nilcéa Freire, da Secretaria Especial de Política para as Mulheres, explica que 2010 é o ano da busca por igualdade de tratamento e de oportunidades no mundo do trabalho. Edição fala ainda das motivações da aliança entre PT e PMDB e aborda as consequências da aposentadoria, além de reportagens sobre música e dança.


Reportagem de Anselmo Massad e Thiago Domenici analisa as motivações e os custos políticos resultantes da aliança do PT com o PMDB, reforçada no segundo mandato do presidente Lula. A coa-lizão envolve disputas, um preço necessário para o partido buscar a transformação social e econômica desejada. A seção Ponto de Vista avalia que a autonomia do Distrito Federal, nos moldes atuais, é uma excrescência que a Nação não pode continuar tolerando.


A aposentadoria, tão esperada pelos trabalhadores, pode chegar acompanhada de muitas dificuldades, como a perda de papéis sociais, o empobrecimento até a depressão. O texto de Cida Oliveira explica como é necessário haver um preparo para a inatividade e que algumas empresas já acordaram para essa realidade.


Roberto Amato fala sobre as características do Índice de Desenvolvimento Humano, criado pela ONU para definir a evolução de um país e a qualidade de vida de seu povo. Exemplifica com a Noruega, primeira do ranking, onde não existe população abaixo da linha da pobreza, e o Níger, um dos últimos, onde 63% está nessa condição. No meio do caminho, o Brasil, com 26% do povo em condições de miséria.


Ainda nessa edição, Vitor Nuzzi escreve sobre o centenário de Adoniran Barbosa, o irreverente artista paulista cuja família batalha para garantir a preservação da memória. A revista também fala sobre os cem anos que completaria o carioca Noel Rosa, que viveu apenas 26 anos, mas deixou uma vasta obra, e sobre como as temporadas de João Cabral de Melo Neto em Barcelona deram sabor à sua poesia.


Evelyn Pedrozo mergulha no mundo da dança do ventre e mostra como a prática representa o resgate da feminilidade e da autoestima para a maioria das bailarinas. E na seção Viagem, confira as dicas para conhecer Nice, a bela e cara cidade do sul da França