Mesa temática de ascensão profissional apresenta avanços

19


A 2ª rodada da Mesa Temática de Ascensão Profissional entre a Comissão de Empresa da Contraf-CUT e o Banco do Brasil realizada na semana passada, em Brasília, contou com a participação de bancários de base convidados pelos sindicatos e federações, com objetivo de ampliar o debate sobre ascensão profissional dentro do BB, para melhorar e dar mais transparências aos processos seletivos e melhoria das oportunidades de carreira.


O banco apresentou dados sobre os programas de ascensão, quantidade de nomeações e estatísticas sobre nomeação de mulheres nos cargos gerenciais e executivos. A proposta de nomeação, entre os 20 primeiros em todas as áreas do BB, solicitada pelos funcionários, teve o número de excepcionalidades de nomeação fora dos 20 primeiros, caindo para 0,08% do total. O BB também divulgou que está trabalhando para ampliar a participação das Gepes nos processos seletivos, conforme reivindicação dos trabalhadores.


Os funcionários cobraram ao banco sobre a transparência nos processos em todas as situações, como no caso de vagas que aparecem da noite para o dia, sem tempo suficiente de publicidade. Os funcionários reivindicam um tempo mínimo para que a vaga fique em aberto e que se tenha mecanismos de alertas para quem está concorrendo à determinada vaga.


Outros assuntos foram abordados e serão tratados nas próximas mesas, como a discussão sobre progressão horizontal, módulo básico e avançado para todos os cargos, além do debate sobre a criação de uma comissão específica para a carteira rural nas agências Estilo. Outro ponto abordado por bancários foi o código de ponto de greve e o assédio nos processos de nomeação, que serão debatidos com profundidade na mesa temática de resolução de conflitos, a ser instalada em abril.


Também em abril será agendada nova mesa temática sobre ascensão profissional, onde será apresentado um relatório dos debates e das soluções propostas para melhoria dos processos seletivos.

“Houve avanço, mas queremos que as ações sejam implementadas de fato. Esse processo só está ocorrendo por causa da nossa luta na Campanha de 2015-2016, quando conquistamos a instalação do grupo de trabalho para discutir com as áreas responsáveis, todo tema relacionado à rotina dos funcionários. Exigimos regras claras”
Jannayna Lima, diretora do Sindicato e funcionária do BB