Mesmo com lucro de R$ 11,2 bi, Itaú corta 2.883 empregos até setembro

19


Apesar do lucro líquido recorde de R$ 11,156 bilhões nos nove primeiros meses de 2013, com crescimento de 5,8% em 12 meses e 11% no terceiro trimestre, o Itaú fechou 2.883 empregos no período, na contramão da economia brasileira que abriu 1,323 milhão de vagas entre janeiro e setembro deste ano.


O número total de empregados na holding do Itaú em setembro de 2013 foi de 87.440, com fechamento de 2.987 postos de trabalho em relação a setembro de 2012, uma queda injustificável de 3,3%. Apenas nos últimos três meses foram eliminados 619 empregos.


“Os números do balanço mostram o descaso do Itaú com o emprego, pois o banco seguiu demitindo, praticando rotatividade e eliminando vagas, piorando ainda mais as condições de trabalho e prejudicando o atendimento aos clientes e à população”, avalia o funcionário do banco e presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.


Conforme análise do balanço feita pela Subseção do Dieese na Contraf-CUT, a estratégia de melhorar o chamado Índice de Eficiência por meio do corte de pessoal não vem obtendo êxito, pois o indicador do tipo “quanto menor, melhor” cresceu 3,6 pontos percentuais nos últimos 12 meses, ficando em 48,4%, mas caiu 0,9 pontos percentuais no terceiro trimestre. Cabe notar, entretanto, que desde o quarto trimestre de 2011 não ocorria redução no índice.


O retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado foi de 19,6% (1,4 ponto percentual acima da rentabilidade em setembro de 2012 e 1,7 ponto percentual acima do retorno no segundo trimestre de 2013).


Segundo o Sumário Executivo que acompanha o balanço trimestral do banco, o resultado só não foi melhor porque “essas evoluções (no trimestre) foram parcialmente compensadas pelo aumento das despesas não decorrentes de juros em 0,9%, que decorre, principalmente, do efeito do reajuste de salários e benefícios decorrentes da negociação sindical”. A despesa de pessoal em setembro teve acréscimo de R$ 161 milhões e, desconsiderando esse aumento, “as despesas de pessoal teriam se reduzido em R$ 58 milhões (1,5%)”.


As receitas de prestação de serviços e tarifas bancárias atingiram R$ 17,505 bilhões, com alta de 15,8% em relação aos nove primeiros meses de 2012. Somente com esta receita o banco cobre 155,8% do total de suas despesas de pessoal. No mesmo período de 2012, a cobertura foi de 146,9%. As despesas de pessoal, no período, tiveram alta de 9,2%.


Milhões para altos os Executivos – Enquanto corta ainda mais empregos, o Itaú lidera a remuneração milionária dos altos executivos, superando o Santander e o Bradesco, que também pagam milhões de reais por ano para o alto escalão. Segundo levantamento do Dieese, com base em dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), cada diretor do Itaú ganhou, em média, R$ 9,05 milhões em 2012, mais do que o do Santander, que recebeu R$ 5,63 milhões e o do Bradesco, que embolsou R$ 5,01 bilhões. Já o bancário do piso salarial recebeu apenas R$ 38,64 mil no ano passado.  Isso significa que um diretor do Itaú ganhou, em média, 234,27 vezes mais que um funcionário recebe com o piso. No Santander, o executivo ganhou 145,67 vezes o piso.


“Essa desigualdade precisa ser combatida. Além disso, vamos continuar lutando pela proteção ao emprego, pelo fim da rotatividade, e por melhores condições de trabalho para os funcionários do Itaú. Não podemos permitir que um lucro tão alto não se reverta em parte para os direitos dos trabalhadores, que são os principais responsáveis por essa elevada lucratividade”, avalia o representante do Nordeste na COE Itaú, Ribamar Pacheco.