Mulheres bancárias realizam ato de repúdio contra Bolsonaro e a direita fascista

7


Como dizia o poeta Chico Buarque, “apesar de você, amanhã há de ser outro dia”! Durante a votação do processo de impeachment na Câmara, no último dia 17/4, o deputado federal Jair Bolsonaro chocou a sociedade brasileira quando homenageou um dos mais ferrenhos torturadores da ditadura militar, o coronel Ustra, responsável pelo período de tortura pelo qual passou a presidente Dilma Rousseff e mais milhares de outras vítimas de um dos mais tristes e cruéis períodos da história do Brasil.


Para que essa postura não mais se dissemine e esse período sombrio jamais se repita, o Sindicato dos Bancários do Ceará, com o apoio da Central Única dos Trabalhadores (CUT/CE) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB/CE), realizam na próxima sexta-feira, 6 de maio, a partir das 19h, na sede do Sindicato dos Bancários do Ceará, o evento “Não Vamos Esquecer. Não Vamos Deixar Acontecer”, um grande ato de repúdio ao deputado Jair Bolsonaro, como resposta a postura de intolerância e ódio pregada pelo parlamentar que já expeliu asneiras semelhantes contra negros, mulheres e homossexuais.


“É inadmissível que se naturalize este tipo de comportamento, onde se faz apologia até a violação dos direitos humanos e à própria Constituição sem que haja qualquer punição”, afirma a secretária de Igualdade e Diversidade do Sindicato dos Bancários, Rita Ferreira.


“Fomos provocadas por várias bancárias de base que, indignadas com as declarações do deputado Bolsonaro, sobretudo a exaltação a um torturador em rede nacional, em plena votação da Câmara, cobraram de nós uma atitude de peso contra essa postura e aqui estamos nós, denunciando, lutando e mostrando que lugar de mulher é onde ela quiser”, completa a diretora Jannayna Lima.


Programação – O evento contará com a participação de pessoas que foram torturadas durante a ditadura militar, que darão seus depoimentos e alertarão para que essas atrocidades não voltem a acontecer. Na ocasião será entregue também uma representação contra o deputado à Procuradoria da República cobrando providências contra as posturas preconceituosas e fascistas de Bolsonaro.