Nas ruas, bancários se juntam às Centrais na luta contra o retrocesso

7


“Mas é preciso ter força, é preciso ter raça, é preciso ter gana sempre”. Foi com esse mote, que os trabalhadores fortalezenses foram às ruas no 1º de maio – Dia do Trabalhador, mostrar sua disposição de luta para buscar mais direitos e garantir as conquistas da classe trabalhadora.


Em Fortaleza, o Sindicato dos Bancários do Ceará se juntou aos milhares de militantes das entidades filiadas à Central Única dos Trabalhadores no Ceará (CUT-CE) e à Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e aos movimentos sociais organizados. O movimento tomou as ruas dos bairros Serrinha e Parangaba.


A concentração das entidades aconteceu na Praça da Cruz Grande, na Serrinha, onde ocorreram várias apresentações artísticas/culturais promovidas pelas comunidades e movimentos sociais participantes. Em seguida, os militantes saíram em caminhada até o Centro Poliesportivo da Parangaba, encerrando o evento com grande ato político.


Mobilização contra PL 4330 – Neste 1º de Maio, trabalho, educação, democracia, direitos e reforma política foram as bandeiras da classe trabalhadora, com destaque especial para a mobilização contra o Projeto de Lei da terceirização, PL 4330.


Em defesa das trabalhadoras – O Coletivo de Mulheres Bancárias do SEEB/CE mostrou no evento sua luta em defesa de uma política de Igualdade, que precisa valer em todas as áreas. Foi destaque um grupo de mulheres caracterizadas representando várias profissões.


“Sem negociação com a classe trabalhadora, a Câmara de Deputados impôs uma agenda de retrocesso aos direitos trabalhistas, que tem no PL 4330 a terceirização com precarização dos empregos. Defendemos uma legislação que signifique avanço social e não um retrocesso como nos impõe esse PL. O dia a dia deste País é feito por homens e mulheres trabalhadoras, e merecemos respeito”
Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará