Negociação define cronograma para implantação do PCR

68

Em negociação com a Comissão Nacional dos Funcionários do BNB (CNFBNB), ocorrida no dia 2/6, o banco apresentou um cronograma de implantação para o Plano de Cargos e Remuneração (PCR). Outros pontos discutidos, tratados como pendências, foram a assinatura do Acordo Coletivo 2005/2006, o pagamento da Participação nos Resultados (PR), Camed, Capef e BNB Clube.

Sobre o PCR, o Banco informou que vai começar a trabalhar o cronograma de implementação do novo Plano. Além de destacar que a simulação já foi disponibilizada, o BNB entregou a proposta de minuta de acordo específico para a implantação do PCR à Comissão Nacional, que ficou de analisar o documento até 14/6. As datas do cronograma ficaram definidas da seguinte forma: até 12/6: disponibilização das perguntas e respostas mais freqüentes sobre o PCR na internet; até 14/6: elaboração e negociação da minuta de acordo; até 30/6: realização de seminários estaduais e locais, com a participação dos sindicatos; até 7/7: realização das assembléias para deliberação sobre PCR (sindicatos); 10/7: assinatura do acordo; após assembléias: envio dos termos individuais para adesão; o banco só garantirá a retroatividade se o termo de adesão for assinado até 60 dias após o envio. As datas referentes ao pagamento das diferenças retroativas e atualização dos registros funcionais serão definidos durante esta semana.

Em relação ao Acordo Coletivo, ficou acertado que na próxima semana será marcada a data da assinatura – que deverá acontecer até o final deste mês.

Quanto ao reajuste proposto para o equilíbrio da Camed, foi ressaltado que ainda permanecem muitas dúvidas sobre as mudanças a serem implementadas. A priori, ficou entendida a necessidade de revisão do plano, mas não há clareza sobre a racionalização das despesas, procedimentos etc. Foi acertado que nenhum reajuste de contribuição se dará antes da folha de julho de 2006.

Outro ponto discutido foi o Plano CD, da Capef, voltado aos novos funcionários e “descapefados”. A princípio, não há questionamentos, mas não haverá parecer favorável da CNFBNB sem antes ouvir a base. As discussões têm início a partir do dia 23/6.