Negociação entre funcionários e banco garante avanços no acordo aditivo

3


Após nove rodadas de negociação, a Comissão Executiva dos Empregados e os representantes do Santander chegaram a um consenso para a renovação do acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), no dia 22/11, em São Paulo. Conquistamos reajustes no PPRS, nas bolsas de estudo e avançamos com uma cláusula nova, que garante o parcelamento do adiantamento das férias.


Os trabalhadores conquistaram a correção das bolsas de graduação e pós pelo índice da Fenaban: 8% em 2016 e, em 2017, INPC mais 1% de aumento real. O Programa de Participação nos Resultados do Santander (PPRS) terá reajuste de 9,13% em 2016, que equivale a R$ 2.200. Em 2017, o programa terá a correção da inflação (INPC) mais 1% de aumento real.


O acordo garante que todos os bancários do Santander receberão R$ 2.200 de PPRS referente ao ano de 2016 (o crédito é em março de 2017). Já os trabalhadores que são elegíveis à remuneração variável (o que ganham pelo cumprimento de metas acordadas com o banco) receberão o valor que for maior. Por exemplo, se pelos programas próprios de remuneração variável ele receberia R$ 1.500 em 2016, passa a receber os R$ 2.200 do PPRS. Mas se sua remuneração variável corresponde a R$ 5 mil, receberá os R$ 5 mil.


Metas – Condições de trabalho diretamente relacionadas às metas serão debatidas em uma mesa já agendada para dezembro. Em nova cláusula, o aditivo garante o parcelamento, em até três vezes, do adiantamento das férias, caso façam essa opção.


“Finalmente, após nove rodadas de negociação o Santander cedeu ao processo negocial e atendeu às nossas reivindicações, inclusive, na criação de uma cláusula nova”
Eugênio Silva, diretor do SEEB/CE e funcionário do Santander