NOVA ONDA DE DESCOMISSIONAMENTOS ASSUSTA FUNCIONÁRIOS DO BB

30


Os funcionários do Banco do Brasil estão apreensivos com a nova onda de descomissionamentos, principalmente na área negocial. Nos últimos dias, em todo o país houve relatos de perda de função utilizando apenas a avaliação do superior e sem critério definido.


Esse modelo de descomissionamento por ato de gestão aponta para o fim da Gestão de Desempenho Profissional por Competência e Resultados (GDP), modelo construído em 360º, em que o banco gastou milhões de reais para desenvolver.


A Contraf-CUT já havia alertado que o fim da GDP deixa os funcionários expostos à vontade do gestor e não considera a avaliação de pares nem de subordinados. É o chamado acerto de contas, já que em alguns casos não foi considerado histórico que em alguns casos não foi considerado histórico recente de agências explodidas nem mudança de carteira.


Funcionários que estavam recentemente na área de Pessoa Jurídica foram descomissionados com apenas seis meses na área de Pessoas Físicas, sem nem ser dada oportunidade de adaptação.


CRITÉRIOS PRECISAM SER CLAROS – Cada vez que o banco faz descomissionamento sem critérios claros, lança dúvida sobre a eficiência do modelo de GDP e volta a incentivar funcionários a fazer vendas casadas e irresponsáveis, apenas para ganhar boa avaliação e tornando os negócios insustentáveis.


DENUNCIE – Todo funcionário que presenciar ameaça de descomissionamento deve denunciar ao Sindicato para que seja verificada a condição de trabalho na unidade.