Números mostram como últimos governos investiram no social

49


Apesar da direita falar da herança deixada por FHC, os números mostram uma realidade muito diferente. Os indicadores sociais no final do governo FHC (2002) eram bem ruins. 14% da população estava na extrema pobreza e 34,4% estava na pobreza. O desemprego batia na casa de 11,7% e a informalidade (trabalhadores sem carteira assinada) atingia 58,4% dos trabalhadores. Além disso, o salário mínimo era suficiente para comprar apenas o equivalente a 1,4 cestas básicas.


Sendo assim, vamos comparar os números da era do PSDB (de FHC e de Aécio) com os de Lula e Dilma e ver quem verdadeiramente mudou a vida de milhões de brasileiros?


A começar pela distribuição de renda, medida pelo Coeficiente de Gini – quanto maior é o número, mais desigual é o País. No governo FHC, o Brasil tinha um índice de 0.563 (2002). Com Dilma, o Brasil terminou o ano de 2013 com 0.495. Isso mostra que o nosso País, com Dilma e Lula, passou a incluir muito mais pessoas e diminuiu as desigualdades sociais. Um dos grandes responsáveis por essa queda é o Bolsa Família que, combinado com outros programas sociais, tirou 36 milhões de brasileiros da pobreza extrema e se tornou exemplo internacional de política social.


Outro fato que interfere muito diretamente na vida do brasileiro é o valor do salário mínimo. O principal conselheiro de Aécio Neves, Armínio Fraga, esteve no comando do Banco Central durante o governo FHC. Para ele, já anunciado como provável ministro da Fazenda do governo tucano, o salário mínimo está muito alto atualmente. Fraga defende um conjunto de medidas que ele mesmo chama de “impopulares” e têm a finalidade única de manter a inflação sob controle a qualquer custo. Para os tucanos, a melhor política para conter a inflação é diminuir salário, gerar desemprego, diminuir o crédito e aumentar a taxa de juros. Por isso, quando Fernando Henrique acabou o seu governo, em 2002, o salário mínimo no Brasil era de R$ 200,00. Com Dilma, depois da política de valorização constante do salário mínimo de Lula, chegou aos R$ 724,00 em 2014. Para se ter uma ideia, nos tempos dos tucanos na presidência, era possível comprar somente 1,4 cesta básica com o mínimo. Hoje, com todas as correções orçamentárias, é possível comprar 2,2 cestas básicas.


Não é novidade para ninguém que a política econômica dos governos Dilma e Lula está firmemente atrelada ao social. A prioridade sempre foi e sempre será a população brasileira, é por isso que se investiu tanto em educação, em saúde, em transferência de renda, com o objetivo de se investir ainda mais. E isso fica evidente nos números: os gastos do governo FHC com políticas sociais, em 2002, somavam 14,4% do PIB. Com Dilma, esses gastos somam 16,8% do PIB.


Falando em transferência de renda para as famílias, também há resultados muito positivos para mostrar. Em 2002, no final do governo tucano, a transferência de renda era de 8,82% do PIB. Com Dilma, esse valor chega a 10,9% do PIB. Esse indicador interfere diretamente na diminuição das desigualdades sociais.


Por último, um assunto que é muito caro ao governo Dilma e faz os tucanos tremerem. Em 2013, alcançou-se a menor taxa de desemprego da série histórica, chegando ao estado de pleno emprego. Com FHC, o Brasil chegou a ser o 2º país do mundo com desemprego mais alto. Na época dos tucanos, o índice de desemprego batia na casa dos 11,7%. Em agosto de 2014, quando foi realizada a última medição, tínhamos 5%.