O Curso de um Projeto

61

O Revellion de 2006 foi um dos mais bonitos para os fortalezenses. Foi uma festa popular que se estendeu para além da Praia de Iracema, pois alcançou mais três bairros. Os gastos com o evento não foram exorbitantes se comparados com capitais similares, tal qual Recife, por exemplo.

A festa, agora, é “vendida” à opinião pública, por farra com o dinheiro público. A versão apregoada, por alguns poucos, precisa ser rebatida por todos nós.

A Prefeitura arcou com cerca de 10% dos gastos com o evento e conseguiu patrocínio de aproximadamente 90%. A eventual inabilidade política no tratamento de erros técnicos – é o vislumbrado até o momento – não descredencia a festa em si e, muito menos, o curso da administração da Prefeita Luizianne Lins. A ela devemos creditar o resgate, no âmbito municipal, da participação popular e das prioridades sociais. Ou não se assistiu a um tremendo saldo educativo e de transparência com a implementação do orçamento participativo? E o olhar carinhoso e concreto com os mais pobres das áreas de risco?

O PSDB e seus aliados, incapazes de fazerem o legítimo debate programático, político e administrativo, reproduz em relação à Luizianne o que tentou em relação a Lula.

Que o debate instalado em torno do revellion sirva como alerta para as forças populares comprometidos com o projeto municipal em curso. Para aprendermos com nossos erros, para aperfeiçoarmos nossa gestão e igualmente não nos calarmos diante dos ataques que são meros pretextos para o retrocesso. O patrimônio político da Prefeitura de Fortaleza é grande comparativamente a gestões anteriores e só tende a crescer com a implementação de novas obras estruturantes neste e no próximo ano.