O que fazer quando o jogo torna-se uma doença?

56

Tudo começa por curiosidade ou apenas por distração. Você ganha, gosta, vai de novo. Então você perde, quer recuperar o que perdeu, vai de novo… De repente, não consegue mais evitar, não consegue mais parar… tornando-se então um jogador compulsivo.


O Jogo Patológico é um transtorno psiquiátrico e tem sido associado com dependências de substâncias e especula-se uma relação com Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). O Jogo Compulsivo é uma doença oculta e progressiva, que leva os jogadores a uma grande variedade de problemas, que repercutem na sua vida social: dificuldades legais (cheques sem fundos, empréstimos fraudulentos etc.); dificuldades financeiras (atrasos no aluguel, empréstimos atrasados no banco, obrigações pessoais etc.); dificuldades de emprego e na família.


Para ajudar essas pessoas existe um grupo internacional chamado Jogadores Anônimos (JA) e o único requisito para fazer parte da Irmandade é o desejo de parar de jogar.


Um dos princípios fundamentais de Jogadores Anônimos é a visão de que pessoas com problemas semelhantes podem servir de ajuda e exemplo umas às outras. Abaixo deste princípio encontra-se um outro mais profundo, que é o de que a ajuda oferecida por JA apenas pode ser eficaz quando se pede por ela e quando é aceita de mente aberta pelo ingressante. As pessoas procuram ajuda quando chegam a um nível baixo em suas vidas pessoais, e somente o próprio sofredor sabe quando atingiu esse ponto.


A recuperação é composta por um programa de doze passos usado pelos membros para o seu crescimento pessoal. Pelo uso do programa em suas atividades diárias, os jogadores compulsivos não apenas diminuíram o desejo de jogar, como também melhoraram todos os outros aspectos de suas vidas.


O grupo do Ceará é relativamente novo, existindo desde 2003 com sede em Fortaleza. No Brasil, a irmandade Jogadores Anônimos existe desde 1993.

ESTATÍSTICA SOBRE O JOGO COMPULSIVO


• Estima-se que de 1% a 4% da população brasileira joga compulsivamente;

• Na população com média de idade de 18 anos foi detectado Jogo Patológico em 5,7% dos rapazes e em 0,6% das moças;

• Já na idade média de 22,3 anos, a proporção é de 4 homens para cada mulher;

• A maioria dos jogadores compulsivos ainda é do sexo masculino, tem cerca de 40 anos de idade, casado, trabalha e tem grau de escolaridade elevado;

• Os índices de suicídio entre jogadores compulsivos são altos.

SERVIÇO

JOGADORES ANÔNIMOS – JA

Grupo: LIBERTAR E VIVER

Telefone: (85) 9913 2632

E-mail: ja_ceara@yahoo.com.br – www.jogadoresanonimos.org

Reuniões semanais: quintas-feiras, às 19h

Local: Igreja Betesda – Rua Capitão Gustavo, 3552, Joaquim Távora (próximo ao mercado da Av. Pontes Vieira)