Pacote de reestruturação do Banco do Brasil traz de volta o terrorismo

19

Com resistência, o movimento sindical enfrenta o pacote neoliberal da direção do Banco do Brasil, que reestrutura o banco e causa transtornos à vida do funcionalismo. Por diversas vezes, o Presidente Lula afirmou que o Banco do Brasil seria fortalecido em sua função de fomento ao desenvolvimento do País. Só que ao lançar esse “pacote das maldades”, de forma truculenta e unilateral, o banco, estabelece medidas duras e sem nenhuma negociação com os bancários. “O pacote de maldades” inclui demissões, aposentadorias e fechamento de locais de trabalho em todo o País.


O Banco do Brasil está se distanciando de ser um banco público e o mais atingido é o funcionário do banco. O Sindicato dos Bancários do Ceará, sempre ao lado da categoria bancária, defende que o BB deve reforçar sua função pública e não de mercado como quer a direção do banco.

Atividades – Uma nova assembléia será realizada nesta terça-feira, dia 22/5, às 19 horas, para definir encaminhamentos para a luta contra o pacote de reestruturação do BB. Os bancários devem decidir sobre uma greve de 24h na quarta-feira, dia 23, entre outros encaminhamentos. O Ceará é o Estado que tomou iniciativas mais contundentes com relação ao pacote de maldades do BB, como audiências com a DRT, Ministério Público, na Assembléia Legislativa, além de mobilizações e paralisações em várias unidades.