Paralisação de agência em Fortaleza marca Dia Nacional de Luta

3


Em Dia Nacional de Luta, bancários do Santander paralisaram durante uma hora, na terça-feira, 26/7, a agência da Praça do Ferreira, no Centro de Fortaleza. O atendimento naquela unidade só começou às 11 horas. Essa atividade foi deliberada pela Contraf-CUT, assessorada pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander, visando a reabertura das negociações com o banco. Após seis negociações, o banco não apresentou nenhum avanço que atenda as reivindicações dos trabalhadores, no Acordo Aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).


Os trabalhadores entregaram em março uma pauta ao Santander, reivindicando mais contratação de funcionários, para melhor atender a população e garantir condições de trabalho aos bancários, além de aumento de bolsas do auxílio educação, que hoje distribui 2.500 bolsas em nível nacional, para 3 mil bolsas, assim como a atualização dos seus valores.


Outra reivindicação é aprovação da proposta do Programa de Participação nos Resultados, a PPRS, que é uma espécie de segunda PLR dos funcionários do Santander. Reivindicam, ainda uma discussão referente às metas. Hoje o banco determina as metas unilateralmente e, além de não ter a participação dos trabalhadores, muda as regras constantemente, sem aviso prévio.


“Esperamos que esse dia de paralisação pressione o banco a marcar uma nova negociação e que venha avançar na nossa pauta. O Santander tem que parar de enrolar os trabalhadores. Vamos pressionar o banco até a reabertura e avanço nas negociações”, afirma Eugênio Silva, diretor do SEEB/CE.