Participe do Dia Nacional do Basta e manifeste a sua indignação!

46


Organizado pelas Centrais Sindicais, o dia 10 de Agosto, Dia do Basta tem como objetivo paralisar os locais de trabalho e mobilizar a sociedade em manifestações de protesto contra o desemprego crescente, o aumento do preço do gás de cozinha e dos combustíveis e contra a retirada de direitos da classe trabalhadora. Esses problemas foram provocados pelas medidas adotadas pelo governo golpista de Temer, como as privatizações, o engessamento do orçamento (EC95), a reforma trabalhista e a terceirização irrestrita.


Basta de aumento do preço do gás de cozinha e dos combustíveis

Desde a implementação da nova política de preços da Petrobrás no governo Temer, os preços de seus principais produtos têm sido aumentados muito acima da inflação. A gasolina aumentou em mais de 31%, o etanol em 22,6%, o diesel 14.3%, o botijão de gás 17,2%. Por sua vez, a energia elétrica subiu 18,8% em 12 meses terminados de julho/2017 a junho/2018 e a inflação acumulada no governo Temer é de 8,73%. Temos de gritar BASTA para esses aumentos absurdos que oneram principalmente a classe trabalhadora.


Gás de cozinha e combustíveis tiveram 58 reajustes desde o início do governo golpista

O governo golpista tem realizado constantes reajustes nos preços dos combustíveis e no gás de cozinha que impactam diretamente no bolso de todos os brasileiros. Esses aumentos vêm acontecendo desde que derrubou o governo eleito de Dilma, em maio de 2016. Dados da Federação Única dos Petroleiros (FUP) apontam 58 reajustes nos valores dos combustíveis. O preço da gasolina subiu 50,04% e o diesel 52,15%, um aumento 25 vezes superior à inflação do período. De acordo com uma pesquisa publicada pelo Datafolha, em dezembro passado, 2/3 da população consideram que a alta do gás de cozinha compromete muito o orçamento familiar.


Preço dos combustíveis acelera inflação em junho

A política de preços dos combustíveis adotada pelo golpista e ilegítimo Temer de reajuste diário nos preços dos combustíveis teve impacto direto no resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de junho, que ficou em 1,26% e atingiu a maior taxa para o mês em 23 anos. A atual política, implantada pela direção da Petrobras nomeada por Temer, foi responsável pela greve dos caminhoneiros, que refletiu no aumento dos preços dos alimentos, e pelos reajustes do gás de cozinha e da gasolina. Além disso, teve reflexos nas tarifas de energia elétrica, que ficaram mais caras porque o governo passou a usar mais as termoelétricas, que precisam de combustíveis para operar. Pela primeira vez desde janeiro de 2016, a inflação ficou acima de 1% – é maior taxa para o mês de junho desde 1995, quando o índice ficou em 2,26%. Nos transportes, a gasolina e o etanol contribuíram com, cerca de 21% da composição da inflação.