Pesquisa aponta 27 mortes em assaltos envolvendo bancos no 1º semestre

17

Pesquisa nacional mostra que 27 pessoas foram assassinadas em assaltos envolvendo bancos no primeiro semestre de 2012, uma média de quatro vítimas fatais por mês, o que representa um aumento de 17,4% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registradas 23 mortes. O levantamento foi realizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), com base em notícias da imprensa e com apoio técnico do Dieese.


São Paulo (6), Rio de Janeiro (4) e Bahia (4) foram os estados com o maior número de casos. A principal ocorrência foi o crime de “saidinha de banco”, que provocou 14 mortes. Já a maioria das vítimas foram clientes (15), seguido de vigilantes (5), transeuntes (3), policiais (3) e bancário (1).


No Ceará foram registradas duas mortes em assaltos. No dia 27/2, numa troca de tiros contra uma quadrilha que havia invadido o BB de Catarina, no sertão de Inhamuns, o policial Alves Neto foi morto. Já no dia 1º/3, ao reagir a uma saidinha bancária, o engenheiro Kelbson Diógenes foi morto após ter sacado R$ 21 mil no Itaú da Av. 13 de Maio. Além desses, um assaltante foi morto numa troca de tiros com a polícia após invadir o Bradesco Aldeota, no dia 20/3.


Para a Contraf-CUT e a CNTV, essas mortes refletem, sobretudo, a carência de investimentos dos bancos para prevenir assaltos e sequestros. Segundo dados do Dieese, os cinco maiores bancos que operam no País apresentaram lucros de R$ 50,7 bilhões em 2011. Já as despesas com segurança e vigilância somaram R$ 2,6 bilhões, o que significa 5,2%, em média, na comparação com os lucros. “Entra ano, sai ano, e muitas pessoas continuam morrendo em assaltos envolvendo bancos, o que é inaceitável no setor mais lucrativo do País. Isso comprova o enorme descaso e a escassez de investimentos dos bancos na proteção da vida de trabalhadores e clientes, bem como revela a fragilidade da segurança pública diante da falta de mais policiais e viaturas nas ruas e de ações de inteligência para evitar ações criminosas”, afirma o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.


“Esses números são assustadores e reforçam a necessidade de atualizar a lei federal nº 7.102/83, que se encontra defasada diante do crescimento da violência e da criminalidade. Precisamos de um estatuto de segurança privada com medidas eficazes e equipamentos adequados de prevenção para garantir a proteção da vida, eliminar riscos e oferecer segurança para trabalhadores e clientes”, salienta o presidente da CNTV, José Boaventura Santos.

Tipos de ocorrências – O levantamento aponta que o crime de “saidinha de banco” permanece sendo o que mais causa mortes. No primeiro semestre ocorreram 14 casos fatais. No mesmo período de 2011 foram verificados 16 assassinatos. Houve uma pequena redução de duas mortes (12,5%), mas a situação continua preocupante diante da falta de iniciativas dos bancos para combater essa violência.


A Contraf-CUT e a CNTV propõem ações preventivas que visem enfrentar a “saidinha de banco”, uma violência que apavora e mata. “Esse crime começa dentro dos bancos e, para combatê-lo, é preciso evitar a visualização dos saques de clientes nos bancos por olheiros, através de medidas como a instalação de biombos entre a fila de espera e os caixas, e de divisórias individualizadas entre os caixas, inclusive os eletrônicos”, defende Cordeiro.


Outra medida é a isenção de tarifas de transferência de recursos (DOC, TED, ordens de pagamento), como forma de reduzir a circulação de dinheiro na praça. “Muitos clientes sacam valores expressivos para não pagar tarifas e acabam virando alvos de assaltantes”, ressalta o presidente da Contraf-CUT.


Boaventura destaca que para combater tanto a “saidinha de banco” como para enfrentar os assaltos nas agências “é fundamental a obrigatoriedade de instalação de portas de segurança com detectores de metais antes do autoatendimento, câmeras internas e externas de monitoramento em tempo real nos espaços de circulação de clientes, e vidros blindados nas fachadas”. O presidente da CNTV defende também mais segurança no abastecimento de caixas eletrônicos. “Queremos o fim da contagem e do manuseio de numerário para evitar novas mortes e garantir segurança para trabalhadores e clientes”, enfatiza.

Perfil das vítimas – A pesquisa revela que os clientes foram outra vez as principais vítimas fatais em assaltos envolvendo bancos. Com 15 mortes, eles representaram 55,56% das ocorrências. Na comparação com 2011, houve um assassinato a menos. Quase todos os clientes morreram em “saidinhas de banco”.