Pesquisa aponta 32 mortes em assaltos envolvendo bancos no 1º semestre

18


Pesquisa nacional apurou que no primeiro semestre de 2014 ocorreram 32 mortes, uma média de 5,33 vítimas fatais por mês, o que representa aumento de 6,7% em relação ao mesmo período de 2013, quando foram registradas 30 mortes. Desde os primeiros seis meses de 2011, o crescimento foi de 39,1%. Em todo o ano passado ocorreram 65 mortes. O levantamento foi realizado pela Contraf-CUT e Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), com base em notícias da imprensa e com apoio técnico do Dieese, divulgada no último dia 31/7, em São Paulo.


São Paulo é o estado que lidera novamente a pesquisa com 12 mortes (38,7% dos casos). Rio de Janeiro (4), Pernambuco (3), Minas Gerais (2), Paraná (2), Goiás (2) e Paraíba (2) são os estados que vêm em seguida. No Ceará aconteceu a morte de um cliente durante o 1º semestre deste ano (chegadinha bancária em frente ao BB de Caucaia no dia 24/2).


Ocorrências – O crime da “saidinha de banco” aumentou ainda mais a liderança entre os tipos de ocorrências, tendo provocado 20 mortes, o que representa 62,5% dos casos. O assalto a correspondentes bancários segue em segundo lugar, agora ao lado dos ataques a caixas eletrônicos, ambos com 4 mortes, o que significa 12,5% das vítimas fatais. Depois, vem mortes em assaltos a agências (3) e transporte de valores (1).


Aumentaram também os clientes como as maiores vítimas. Do total, 22 pessoas eram clientes, o que significa 68,8% dos assassinatos. Em seguida vêm policiais (2), vigilante (1) e outras pessoas (7).


Já o gênero das vítimas continua sendo liderado pelos homens (29), o que representa 90,6% dos casos. Também foram assassinadas três mulheres (9,4%).


Escassez de investimentos – Para a Contraf-CUT e a CNTV, essas mortes revelam a escassez de investimentos dos bancos para melhorar a segurança dos estabelecimentos e garantir um atendimento seguro para os clientes e a população. Segundo dados do Dieese, os seis maiores bancos (Itaú, BB, Bradesco, Caixa, Santander e HSBC) apresentaram lucros de R$ 56,7 bilhões em 2013. Já as despesas com segurança e vigilância somaram

R$ 3,4 bilhões, o que significa 6%, em média, na comparação com os lucros.


“Os bancos preferem gastar bilhões de reais em marketing e meios eletrônicos de pagamento a investir em equipamentos de prevenção e proteção à vida das pessoas. A segurança é encarada pelos bancos como custo que pode ser reduzido para turbinar ainda mais os seus lucros, mas nós seguimos pressionando por medidas em âmbito nacional que coloquem a vida das pessoas acima do lucro”
Gustavo Tabatinga, secretário jurídico do Sindicato dos Bancários do Ceará