Pesquisa mostra que queda dos juros é tímida nos bancos privados

26


Os juros bancários voltaram a cair. A pesquisa mensal da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) indica que as taxas cobradas da pessoa física tiveram queda em dezembro na comparação com novembro.


O dado confirma o que vem ocorrendo gradualmente desde abril de 2012, quando o governo federal lançou uma ofensiva contra os altos juros bancários, baixando as taxas das instituições públicas. Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal anunciaram programas de crédito para pessoas física e jurídica com taxas menores do que as anteriormente praticadas e, a partir daí, foram anunciando linhas de crédito com juros cada vez mais baixos. Os privados seguiram o mesmo caminho, mas com menos intensidade.


O estudo mostra que a taxa média de juros das operações de crédito para PF, que era de 5,63% ao mês em novembro, caiu para 5,44% em dezembro. O valor corresponde a uma taxa anual de 88,83%; em novembro essa taxa era de 92,95%.


Crescer no volume – Entretanto, o movimento sindical bancário avalia que o setor financeiro tem condições de avançar mais nesse quesito. Os sindicatos de bancários em todo o País vêm apoiando desde o início a investida do governo federal e defendem que a redução dos altos juros bancários brasileiros não acarretaria perda de ganhos para as instituições financeiras. Isso porque o País tem grande margem para o crescimento das operações de crédito. “O que defendemos é que, baixando as taxas, os bancos vão ganhar no volume de operações”, explica o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra.


Foi o que aconteceu com a Caixa. O banco público que mais baixou os juros foi também o que teve maior crescimento da carteira de crédito e, consequentemente, aumento maior do lucro. De janeiro a setembro de 2012, a carteira de crédito da Caixa cresceu 43%, atingindo R$ 324,5 bilhões. No mesmo período, o lucro da instituição subiu 18% em relação aos nove primeiros meses de 2011.


Para ter ideia do que significa esse resultado, basta compará-lo com o de bancos privados. De janeiro a setembro do ano passado, o lucro do Bradesco aumentou 2% em relação ao mesmo período de 2011, e o do Itaú teve queda de 3,25%.


Spread – Apesar desse movimento de queda dos juros, não se pode esquecer que o spread bancário (diferença entre o que os bancos gastam para captar dinheiro e quanto cobram para emprestá-lo) ainda é muito alto no Brasil, e que a relação crédito/PIB, que também cresceu por conta da diminuição das taxas, ainda é baixa. A diminuição dos juros resultou em queda de 6 pontos percentuais no spread geral da economia brasileira, mas ainda alcança o patamar de 22 pontos percentuais. Em países como Argentina, Chile, México, África do Sul, China e Rússia, os spreads situam-se entre 3 e 4 p.p.


Cheque especial –De abril a novembro de 2012, a taxa de cheque especial para pessoa física, por exemplo, caiu de 8,04% ao mês para 4,28% ao mês na Caixa, ou seja, redução de 47%; no BB a queda foi de 39%, passando de 8,65% em abril para 5,27% em novembro.


A diminuição dos juros nos privados ficou muito aquém. No Santander a queda foi de apenas 2%: era 10,31% em abril e ficou em 10,07% em novembro. Bradesco, Itaú e HSBC reduziram os mesmos 4%. No Bradesco era de 8,78%, sete meses depois foi para 8,42%. No Itaú, passou de 8,87% para 8,49%. E no HSBC de 10,14% para 9,78%.


Desconto de duplicata – Nas linhas de crédito para pessoa jurídica, o ranking de redução de juros entre abril e novembro seguiu a mesma lógica. BB e Caixa reduziram suas taxas para desconto de duplicata em 21% e 35%, respectivamente. Enquanto que Bradesco e Itaú apresentaram queda de 13%; Santander, 12% e HSBC, 6%.


Crédito pessoal – Nessa linha para pessoa física os bancos públicos também foram campeões em redução. A Caixa, que praticava taxa de 2,41% ao mês em abril, passou a cobrar 1,81% em novembro, queda de 25%. Os juros do BB eram de 2,70% e no 11º mês já chegavam aos 2,13%, ou seja, -21%. Os privados novamente ficaram atrás. Bradesco cobrava 4,92% em abril e passou para 3,99% em novembro, diminuição de 19%. Itaú reduziu em 17% (de 4,16% a.m. para 3,44% a.m.); Santander em 16% (de 3,53% a.m. para 2,96% a.m.); e HSBC em 9% (de 4,44% a.m. para 4,03% a.m.).