Pesquisa sobre perfil e demandas dos bancários entra na sua segunda fase

56

Ocorreu no sábado, dia 19/1, no Núcleo de Estudos e Pesquisas Regionais da UFC (NUPER), a atividade de Grupo Focal, que é parte integrante da segunda fase da Pesquisa para Identificação do Perfil e das Demandas da Categoria Bancária que está sendo realizada pela UFC.


Estiveram presentes à atividade, 22 bancários entre antigos (admitidos até 1996) e novos (admitidos a partir de 1997) e que prestam serviço na Capital e no Interior, de bancos públicos e privados.


Para garantir a excelência e a maior objetividade possível, a execução da pesquisa ficou a cargo das professoras Neyára Araújo, do departamento de Ciências Sociais da UFC e Iara Araújo, do departamento de Educação da Universidade Regional do Cariri (URCA), ambas doutoras em sociologia. Pelo Sindicato, acompanham a pesquisa a assessora da Secretaria de Formação, Victória Régia Arrais de Paiva, mestra em sociologia e o diretor da secretaria Leirton Leite, funcionário do Banco do Brasil.


A primeira etapa da pesquisa consistiu na aplicação de um questionário com 52 perguntas em uma amostra de 513 bancários da Capital e do Interior, distribuídos em 130 agências. Este instrumento de pesquisa se prestou ao levantamento quantitativo da investigação.


Para o prosseguimento da análise, e tendo em vista o aspecto qualitativo, a opção foi utilizar a técnica do Grupo Focal. Esta técnica tem como objetivo coletar informações específicas acerca de temas previamente definidos (no caso, a Sociabilidade, a Profissão e a Participação), a partir do diálogo e do debate entre os sujeitos da pesquisa.


A fala dos participantes do grupo focal não é meramente descritiva ou expositiva, é uma fala em debate, uma vez que todos os pontos de vista apresentados devem ser discutidos, não havendo necessidade de consenso.


A equipe coordenadora da pesquisa avaliou positivamente a experiência, sobretudo quanto à metodologia, que permitiu um diálogo aberto e respeitoso entre todos. A expectativa mais enfatizada é de que a síntese das discussões possa ser traduzida em ações concretas.