Pesquisa traça o perfil do assédio moral nos bancos no Ceará

22

A Secretaria de Saúde do Sindicato dos Bancários do Ceará concluiu a pesquisa sobre assédio moral, coordenada pelas doutoras Regina Maciel e Rose Cavalcanti. O estudo, que foi realizado durante dois meses, traça o perfil do assédio moral sofrido pelos bancários do Ceará, já que a pesquisa abrangeu tanto a Capital quanto o Interior do Estado.


Ao todo, participaram do estudo 921 bancários, sendo 789 de bancos públicos e 132 de bancos privados. O Bradesco, de forma autoritária, impediu a participação de seus funcionários. Dos entrevistados, 68,13% declararam ser brancos e 27,48% afirmaram ser negros e pardos. Pôde-se concluir também que mais da metade dos bancários, 56,47%, possui nível superior. “Trata-se, portanto, de uma população com alto nível educacional”.


A idade média dos pesquisados é de 40,86 anos. Esses bancários têm em torno de 16 anos de banco. Dos participantes do estudo, 14,9% afirmaram já ter sofrido algum tipo de assédio moral. O tipo de assédio mais citado foi o de cumprimento de uma carga excessiva de trabalho.


O assédio moral é uma constante nas relações trabalhistas, principalmente por parte de pessoas que ocupam cargos superiores. Segundo Regina Maciel, “o fenômeno se traduz pela exposição repetitiva e prolongada a situações humilhantes e constrangedoras dos trabalhadores no desempenho de suas funções, gerando sofrimento psíquico e degradação do ambiente de trabalho”.


Os homens apresentaram uma freqüência maior de relatos de situações constrangedoras do que as mulheres. No entanto, homossexuais, bissexuais e transgêneros são as maiores vítimas. Outra conclusão interessante é que os bancários de nível médio relatam um maior número de assédio.


Esses e outros dados serão apresentados aos bancários no dia 19/6, às 19h, na sede do SEEB/CE. De acordo com o secretário de Saúde da Instituição, Eugênio Silva, as conclusões desse estudo servirão de embasamento para as próximas ações da secretaria. “Nosso objetivo principal nesta pesquisa é dispor de dados para subsidiar as ações do Sindicato no combate ao assédio moral”, concluiu ele.