Pesquisa traça perfil da saúde e adoecimento dos bancários cearenses

45


Nos últimos dois meses, o Sindicato dos Bancários do Ceará vem realizando uma pesquisa sobre “Saúde e Adoecimento dos Bancários do Ceará”, através da sua Secretaria de Saúde, na perspectiva de identificar o que leva ao adoecimento do bancário, se é a natureza do trabalho, a forma de gestão dos bancos, as relações de poder nas instituições, a natureza do mercado financeiro que prioriza o lucro e não o trabalhador. Enfim, entender como o trabalho pode ter responsabilidade pelo adoecimento do próprio trabalhador.


Essa investigação faz parte da pesquisa de doutorado da Profa. Marselle Fernandes sob a orientação do Prof. Dr. Cassio Braz de Aquino do Programa de Pós- Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Estado do Ceará, através do Núcleo de Psicologia do Trabalho.


O professor Cássio Braz diz que é importante discutir a saúde da categoria bancária, que é icônica, dada a sua transformação significativa. A ideia de bancário mudou, agora é um vendedor e não mais um bancário tradicional e, ainda, impactado com as novas tecnologias. Isso modifica não só a relação do trabalho em si, mas a expectativa do trabalhador diante da sua atividade. O bancário se sente permanentemente ameaçado.


A pesquisadora Marselle Fernandes, lembra que os índices do afastamento do trabalho junto ao INSS, de patologias ditas mais psíquicas, tem aumentado significativamente e precisam ser identificados os seus reais motivos. “Esperamos até o final do ano dar uma visão, pelo menos parcial, do que tem adoecido o bancário”, concluiu.


A pesquisa vai continuar nas próximas semanas e ainda dá tempo dos bancários e bancárias responderem nosso questionário, que chega aos locais de trabalho num folheto impresso, ou online, acessando o site do Sindicato www.bancariosce.org.br (basta clicar na imagem sobre a pesquisa).