PRESIDENTE ANUNCIA FIM DOS CAIXAS HUMANOS NO BRASIL

19


Com um discurso de que as pessoas devem se “reabilitar a um mundo diferente”, de que o consumidor precisa “desconstruir” a necessidade de ser atendido por pessoas, em agências físicas, o presidente do Santander Brasil, Sergio Rial, em entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo no dia 5/5, praticamente anunciou que, até o final de 2019, a figura do caixa humano deverá deixar de existir nas agências brasileiras do banco espanhol.


Para o executivo, que assumiu o comando do Santander no Brasil em 2016, e que comemora o fato do Santander Brasil ser a filial mais importante no conglomerado (atingiu, no fim de março, a fatia histórica de 29% nos resultados globais do grupo espanhol, mais do que Inglaterra e a própria Espanha juntas) e que, por isso, é considerado um forte candidato a presidir a matriz do banco a nível global, a estrutura física (agências) é o simbolismo dos organogramas do século 20. “Desconstruímos as funções organizacionais. Chamamos as estruturas de lojas e não mais de agências. Esperamos terminar o processo este ano em todas as agências. É uma transformação muito clara do desenho do banco. O organograma tradicional deixa de existir. O caixa continua existindo, mas não é mais uma pessoa. Qualquer um pode voltar e fazer a autenticação se for necessário”, destacou o executivo.


Quando questionado sobre uma consequente redução do número de agências, Sérgio Rial disse que a “estrutura física será redesenhada, não necessariamente reduzida”. Ele informa que até 2020 devem ser abertas mais de 300 “lojas”: “a custódia de qualquer moeda não vai mudar. Pode até não ser chamado banco”, descreveu Rial.


VA e VR – Os bancários do Santander estão insatisfeitos com a mudança de bandeira dos vales-alimentação e refeição, implementado no último dia 30/4. Funcionários alegam que tiveram dificuldade de uso do Ben Visa Vale, pois não acharam lugares cadastrados no novo sistema. Vários locais que aparecem como cadastrados não aceitam o cartão e muitos que os trabalhadores pediram o cadastro há meses ainda não foram cadastrados. O banco foi procurado para falar sobre o assunto, disse que tem conhecimento dos problemas e que tem uma equipe grande para solucioná-los no mais breve prazo possível. O Ben pertence ao grupo Santander que passa a atuar também nesse segmento.


“Além da eliminação da figura dos caixas e da transformação das agências em lojas, o Santander vem colecionando uma série de problemas, tais como: aumento da co-participação do plano de saúde, abertura de agências aos sábados e falta de lojas/supermercados credenciados na Ben Visa Vale. Este último problema vem dando dor de cabeça aos funcionários, pois até o fechamento desta edição, tinham poucos supermercados habilitados a receber o novo cartão”
Eugênio Silva, diretor do Sindicato e funcionário do Santander