Previ amplia democracia na gestão

86

Na apresentação do balanço da Previ, ocorrida em Fortaleza, os diretores Francisco Alexandre e José Reinaldo fizeram alguns anúncios, garantindo melhorias aos antigos e novos funcionários do Banco do Brasil. Os diretores anunciaram ainda a melhora nos benefícios para pensionistas e redução de contribuição em 50% para ativos, aposentados e pensionistas no Plano 1. Quanto à Parcela Previ anunciaram duas notícias importantes: ela é retroativa a 1º de dezembro de 2005, e será sempre reajustada em setembro pelo índice da Campanha Salarial, ou seja, não haverá mais descasamento da PP. Estas são reivindicações históricas dos funcionários, que os diretores do Sindicato dos Bancários do Ceará entregaram em forma de documento aos diretores da Previ, durante a visita à Fortaleza, juntamente com uma comissão de aposentados e o diretor estadual da ANABB.

Reaberto financiamento da Carim – A Diretoria Executiva também aprovou a reabertura dos financiamentos com recursos próprios da Carim para os participantes do Plano 1. E decidiu buscar parceria com a Caixa Econômica Federal para obter financiamentos mais baratos que os do mercado para os associados do Plano 2.

Implantação da PP – A CNB/CUT, a Previ e o Banco do Brasil estão concluindo a redação do acordo que prevê a redução da Parcela Previ, para que ela seja implantada o quanto antes. A redução vai beneficiar milhares de interessados em se aposentar com benefícios melhores. Depois de assinado, o acordo precisará ser homologado em juízo. O texto está em fase final de elaboração e nesse processo as partes muitas vezes solicitam alterações, pois o documento não pode deixar margens à dúvidas, dada a importância da questão para o bancário.

Previ restitui eleição direta de diretores – Atendendo antiga reivindicação do funcionalismo, a Diretoria da Previ referendou proposta do Conselho Deliberativo da Previ de promover diversas alterações estatutárias. Uma delas restitui o direito de os participantes elegerem a metade dos seis diretores executivos da entidade — direito que era assegurado pelo regime estatutário de 1997 e suspenso em 2002 pelo interventor nomeado pelo governo FHC. Outra alteração, foi a criação de conselhos consultivos para o Plano 1 e para o Previ Futuro. O conselho consultivo de cada plano será formado por três membros titulares e respectivos suplentes eleitos e três titulares e respectivos suplentes indicados pelo banco. Entretanto, o banco, de maneira intransigente, não aceitou a proposta dos conselheiros e manteve o voto de Minerva.