PRIMEIRO ANO DE BOLSONARO FOI TERRÍVEL PARA OS TRABALHADORES

25


Carlos Eduardo, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará


No primeiro ano de governo Bolsonaro teve mais veneno na comida, mais mortes nas estradas, mais violência contra o meio ambiente (com direito a incêndio na Amazônia e óleo nas praias do Nordeste), contra a dignidade humana e contra a vida e mais ataques aos direitos dos trabalhadores e às entidades sindicais.


Uma série de medidas adotadas pelo presidente desde sua posse faz o dia a dia dos brasileiros ir de mal a pior. Em dezembro, uma pesquisa indica a aprovação de Bolsonaro no patamar de 30%, enquanto a reprovação chega a 36%. O levantamento mostra também que 39% acham que a imagem do Brasil no exterior piorou em 2019. Para comparar, em dezembro de 2003, no fim do primeiro ano do mandato do ex-presidente Lula, 53% achavam que seu governo tinha contribuído para melhorar a imagem do país no mundo e a taxa de aprovação era de 42%. Com Fernando Henrique Cardoso, a aprovação chegou aos 41% da população no fim do primeiro ano. Dilma Rousseff (PT) tinha 59% de aprovação nesse período.


Além de todos os absurdos e desastres administrativos, ainda tivemos as várias denúncias de relação promíscua da família Bolsonaro com os milicianos, inclusive aqueles envolvidos com o assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol/RJ). O governo Bolsonaro também é mestre em espalhar fake news. Um levantamento do jornal Folha de S. Paulo apontou que o presidente dá ao menos uma declaração falsa ou imprecisa a cada quatro dias. A incontinência verbal do capitão à frente da Presidência causa estragos à imagem e à economia do Brasil. Isso sem mencionar a verdadeira ojeriza que Bolsonaro tem a jornalistas, ofendendo e denegrindo a imprensa brasileira sempre que é questionado por seus atos ou de seus filhos, assessores ou ministros.


Entre os prejuízos para a classe trabalhadora, destacam-se sete Medidas Provisórias (MPs) envolvendo o mundo do trabalho, além da reforma da Previdência, do fim do Ministério do Trabalho e a carteira verde e amarela. O resultado de tudo isso é um índice de mais de 12 milhões de desempregados, segundo o IBGE.


O movimento sindical também foi duramente atacado em 2019 e teve de enfrentar desafios colocados pelos Poderes, sobretudo o Executivo, para conseguir barrar, ou pelo menos minimizar, uma das agendas mais ameaçadoras contra as conquistas históricas alcançadas pelos trabalhadores, encabeçada pelo governo Bolsonaro.


Mas resistimos. E um dos caminhos dessa resistência foi persistir no diálogo e na sensibilização dos parlamentares. Essa estratégia trouxe resultados positivos, como a supressão de vários pontos da Reforma da Previdência que prejudicariam ainda mais os trabalhadores do setor privado e servidores públicos. Na base do diálogo e do convencimento foi possível também evitar, no Congresso, matérias de iniciativas do governo, como medidas provisórias ou projetos de lei, que acabavam, definitivamente, com direitos dos trabalhadores e dificultavam, inclusive, os descontos das mensalidades às entidades sindicais. Essa resistência será fundamental para que esse processo continue e seja aprofundado em 2020. O ano será de grandes desafios, mas nós não fugiremos da luta jamais.