Rede Sindical do HSBC nas Américas cobra mais empregos e respeito

21

Dirigentes sindicais de vários países da América Latina onde o HSBC está presente participaram em julho, da 8ª Reunião Conjunta das Redes Sindicais de Bancos Internacionais (HSBC, Santander, Banco do Brasil, Itaú, BBVA e Scotiabank), em Montevidéu. O encontro promovido pela UNI Américas Finanças acontece uma vez por ano e objetiva unificar ações conjuntas no continente em defesa dos direitos dos trabalhadores.


“As empresas se globalizaram. Temos de reunir os dirigentes sindicais de todos os países para unificarmos a luta para ampliar as nossas conquistas, trabalhando juntos na construção de um Acordo Marco Global, debatendo problemas e questões locais e cobrando dos bancos soluções para os problemas existentes, para então avançarmos na relação capital e trabalho”, afirma Carlos Alberto Kanak, coordenador nacional da Comissão de Organização de Empregados (COE) do HSBC.


Na Argentina, o HSBC conta com 135 agências e aproximadamente 4.500 funcionários e os bancários temem por seus empregos, visto que a prática de demissões tem sido a política do banco. A alta direção anunciou, inclusive, que já reduziu 27 mil postos de trabalho em todo mundo. Não há investimentos nas pessoas. Na área de Tecnologia da Informação, por exemplo, o banco não desenvolve novas tecnologias e há suspeitas da pretensão em terceirizar serviços das áreas de comunicação, voz e dados. Os funcionários também denunciam extensão arbitrária da jornada de trabalho.


A situação no Paraguai também é preocupante. O banco já negociou a venda com o grupo colombiano GNB, que formou uma comissão para negociar com os funcionários. Os trabalhadores que estão perto da estabilidade (10 anos) temem por seus empregos, a carreira está estagnada, não há perspectivas de crescimento profissional. No Uruguai, o banco está em transição para o GNB. Houve avanços na renovação do acordo coletivo de trabalho com validade até junho de 2013, mas os trabalhadores ainda desconhecem como será a política do grupo.

No Brasil, mais insatisfação – Por aqui, o banco conta com 867 agências e aproximadamente 23,5 mil funcionários. Num cenário de denúncias por envolvimento do banco em operações de lavagem de dinheiro e perseguição a trabalhadores, existe um quadro generalizado de insatisfação. Faltam funcionários e há desvio de função nas agências. Áreas departamentais estão em estado de alerta em função da ameaça de terceirizações. Com as recentes notícias de que o banco está provisionando valores para pagar as multas de processos na justiça, os bancários temem que o pagamento da remuneração variável seja rebaixado, o que já aconteceu quando houve uma crise na Argentina.

Mobilização – Por fim, a Rede Sindical do HSBC estabeleceu prioridades, como a realização de um Dia Internacional de Lutas, que exigirá da direção do HSBC respeito aos trabalhadores, às leis dos países onde atua, ao direito internacional e ao trabalho do bancário, reivindicando o fim das terceirizações. A Rede Sindical do HSBC vai buscar solidariedade internacional, já que a situação dos trabalhadores indica um estado de alerta, com necessidade de mobilização de todos os sindicatos filiados à UNI.


Os dirigentes sindicais querem que a UNI Américas Finanças interceda junto à direção do banco para proteger os direitos e o emprego dos bancários, atuando fortemente nos países onde está havendo aquisição do HSBC por outros grupos.