Redução da jornada de trabalho foi tema do 1º de Maio

31

Grande ato na Praça do Ferreira marcou o Dia do Trabalhador, no 1º de maio deste ano, comemorado no último sábado, pela CUT-CE e entidades filiadas, com a presença de parlamentares e lideranças do movimento sindical e social. Uma pauta de reivindicações, que teve como tema central a redução da jornada, foi o destaque da programação com a participação de cantores e atrações culturais da terra. O evento foi encerrado com show dos cantores Ítalo e Renno.


Este ano, a principal bandeira da CUT-CE e das entidades filiadas foi a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução de salários, um tema que unifica o movimento sindical pelos inúmeros benefícios que oferece ao País. Com a redução da jornada, segundo o Dieese haverá geração de novos postos de trabalho e a consequente redução das altas taxas de desemprego, além de reduzir as doenças do trabalho e promover melhor qualidade de vida aos trabalhadores.


Para o presidente da CUT-CE, Jerônimo do Nascimento, é hora de fortalecer a luta pela aprovação da PEC 231/95, que tramita no Congresso Nacional. “A redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais garantirá melhor qualidade de vida dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros. Não podemos abrir mão disso”, disse Jerônimo.


A Proposta de Emenda à Constituição PEC 231/95 tramita no Congresso Nacional há 14 anos, com a proposta de redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais e que também aumenta o valor do adicional de hora extra de 50% do valor normal para 75%. No dia 30 de junho de 2009, a Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou por unanimidade o relatório favorável à PEC. Antiga reivindicação do movimento sindical, as Centrais Sindicais vêm priorizando o tema e têm pressionado o governo e os empresários para que haja, efetivamente, a redução da jornada de trabalho.

PELO MUNDO AFORA – A jornada normal de trabalho no Brasil é uma das maiores no mundo: 44 semanais desde 1988. Veja que está bem acima de países como a Espanha (35,4 horas), Israel (37 horas), França (38 horas), Itália (38,3 horas), Japão (42 horas), Estados Unidos (42,6 horas), entre outros. Outro ponto é que os custos com salários, no Brasil, são muito baixos se comparados com os de outros países. O custo da mão de obra manufatureira No Brasil é de US$5,96, ficando atrás de países como Taiwan (US$ 6,58), Portugal (US$ 8,27), Singapura (R$ 8,35), Coréia (US$ 16,02), Estados Unidos (US$ 24,59), entre outros. Na Noruega esse valor chega a US$ 48,50.

EIXOS DA LUTA DO 1º DE MAIO DESTE ANO:


• Por desenvolvimento com distribuição de renda e valorização do trabalho;


• Pela redução da jornada de trabalho, sem redução de salários, em 40 horas semanais;


• Por Campanha Salarial: em defesa dos Servidores Públicos;


• Pelo cumprimento da Lei do Piso do Magistério;


• Pela Reforma Agrária e Urbana;


• No combate à precarização do trabalho –Terceirização e informalidade;


• Dizendo não à violência contra a mulher!


• Pela liberação imediata do Programa Garantia Safra e implementação de políticas contra a estiagem no Ceará.