Reforma da Previdência proposta por Temer é cruel, afirmam especialistas

4




O tema “Previdência social: Reforma ou Desmonte?” foi debatido por especialistas convidados pelo Sindicato dos Bancários do Ceará, durante encontro no dia 26/1. Os expositores foram unânimes: a reforma proposta pelo governo Temer só trará prejuízos aos trabalhadores. Anunciaram, também, que a Previdência é superavitária, contrariando o que diz o autor da proposta, que usa a falácia do déficit para sustentar a reforma, que segundo eles é cruel.


Para o professor Gilson Menezes, auditor fiscal da Receita Federal, a proposta de reforma da Previdência é um castigo para os trabalhadores, porque os obriga a contribuir por muito mais tempo para, ao final, receber um valor menor que a regra atual. Disse ainda que a Previdência não é deficitária, mas sim superavitária, basta ver os números no site da Anfip (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal).


O advogado trabalhista, Vianey Martins, citou exemplos práticos para demonstrar como é cruel a reforma, que é de exclusão do trabalhador. Denunciou a intenção da proposta de fazer desaparecer a previdência pública para dar lugar aos fundos privados. Vianey conclamou para que todos fossem para as ruas e não permitirem que essa reforma passe.


O professor da UFC e coordenador do Núcleo da Auditoria Cidadã da Dívida Pública no Ceará, Ênio Pontes (PhD), denunciou que há muita coisa por trás dessa reforma, um esquema financeiro, com um modelo econômico concentrador de riqueza, gerando mais dívida pública: se acabar a dívida, acaba o esquema.


O aspecto social foi levantado pela Profa. Dra. Evânia Severiano, assistente social do INSS, ressaltando que o desmonte da Previdência vai gerar mais desigualdades e injustiça social.  As mudanças de regras irão dificultar cada vez mais o acesso aos benefícios, pois a proposta de reforma deixa de lado totalmente o interesse social.



O QUE ESTÁ POR TRÁS DA REFORMA – Um dos principais alvos do governo golpista Temer é a Previdência Social, com seus R$ 500 bilhões anuais que não podem ser transferidos a banqueiros e rentistas por intermédio do pagamento de juros da dívida pública. A Previdência é um instrumento de distribuição de renda, redução de desigualdades e isso é inadmissível aos neoliberalistas instalados no atual governo golpista.