Representação dos empregados lamenta indicação de Gilberto Occhi para a presidência da Caixa Econômica

10


A Contraf-CUT e demais representações dos empregados da Caixa lamentam o anúncio do Ministério da Fazenda, feito na quarta-feira (25/5), do nome de Gilberto Occhi para comandar a Caixa Econômica Federal. Antes mesmo de assumir, Occhi estuda o fechamento de agências. A principal meta dele será reverter o quadro de agências deficitárias. A vice-presidência que cuida da rede do banco já recomendou o fechamento de apenas 15 delas que estão totalmente inoperantes.


Para a representação dos empregados, a indicação mostra a real intenção deste governo: a retirada de direito dos trabalhadores. O banco também deve manter a política de redução de custos com pessoal, com planos de demissão e de incentivo à aposentadoria. A Caixa cortou o número de funcionários de 100,3 mil para 97 mil em 12 meses. No período, a despesa com pessoal cresceu 1,6%, bem abaixo da inflação, totalizando R$ 5 bilhões. A instituição está buscando ações para reduzir gastos e aumentar a produtividade.


Ao assumir a Caixa, Occhi também receberá o desenho de um caminho para a abertura de capital do banco estatal ainda no governo do presidente interino Michel Temer. Para que uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) seja possível daqui a dois anos, o banco estatal teria de privatizar antes três áreas: seguros, loterias e cartões. “Não vamos deixar que a Caixa seja privatizada. Ela é um patrimônio do povo brasileiro”, afirmou Marcos Saraiva, diretor do Sindicato e representante da Fetrafi/NE na CEE/Caixa.