Representante da oposição ao Sindicato pede ao Ministério Público do Trabalho exclusão de 460 substituídos

23


O beneficiário da Ação de Equiparação e membro do grupo que faz oposição a atual diretoria do Sindicato dos Bancários dos Ceará, José de Maria Timbó, ingressou com denúncia contra o Sindicato junto ao Ministério Público do Trabalho para excluir da Ação de Equiparação BNB x BB 460 substituídos que foram contemplados no processo após grande esforço realizado pelo SEEB/CE junto à justiça do trabalho. O argumento utilizado por Timbó é que esses substituídos não integravam a relação inicial e sua inclusão reduziria o valor a ser pago aos “reais substituídos”, isto é, os 1.178 iniciais, entre os quais o denunciante se inclui.


Para o Sindicato, esta é uma questão vencida, uma vez que tanto a juíza do trabalho, na audiência de 29/08/2013, aceitou os argumentos do Sindicato para incluir esses 460 substituídos, quanto às negociações com o BNB envolvem todos os 1.638 substituídos. Porém, a intervenção do Ministério Público do Trabalho é mais um fator complicador para o desfecho favorável da ação, além do desafio de chegarmos a um consenso com o Banco sobre os cálculos, como deseja e está trabalhando o Sindicato.


Por desinformação ou má fé, José de Maria Timbó, que na última plenária sobre a Ação declarou-se publicamente como representante da oposição ao SEEB/CE, não levou em conta que o valor global a ser pago da equiparação, seja por acordo ou por liquidação judicial, resultará do somatório dos valores individuais calculados. Portanto, a exclusão de 460 substituídos, além de uma injustiça e falta de solidariedade contra seus próprios colegas de Banco, apenas beneficiaria o BNB, levando à redução do valor global a ser pago pela empresa, não implicando em modificação nos valores individuais dos 1.178 substituídos, inclusive o valor dele próprio.


A atitude de José Timbó se assemelha a ações de outros colegas que se declaram de “oposição”, que tentam criar um clima desfavorável a um acordo com o Banco sobre a equiparação, acusando o Sindicato de protelar a ação e não pedir a liquidação judicial de imediato.  Para todos que assim pensam um aviso: o Sindicato dos Bancários do Ceará jamais tomará qualquer medida por pressão de alguns poucos.  É por isso que todas as decisões importantes são tomadas em assembleia, única forma de assegurar a vontade e os interesses da maioria. E assim será em relação ao acordo, que será feito ou não dependendo da vontade democrática e soberana da maioria dos beneficiários.



“Membros da oposição precisam repensar sua visão de solidariedade de classe. Com posicionamentos como os externados pelo Sr. Timbó fica difícil acreditar no discurso oposicionista”
Tomaz de Aquino, diretor do Sindicato e coordenador da CNFBNB