Reunião com Santander Banespa traz avanços

22

Reunião realizada no Comitê de Relações Trabalhistas do Santander Banespa, no dia 20/3, discutiu parte dos itens da pauta apresentada pelos trabalhadores. A Contraf-CUT e o banco vão agendar uma nova reunião nos próximos dias para debater os demais temas que constam na pauta. Veja o encaminhamento dos itens discutidos:

Contratações – A necessidade de contratações foi apontada pelos trabalhadores como urgente em toda a rede. O resultado, além da pressão sobre os funcionários, é o recorde absoluto de reclamações do atendimento junto ao Banco Central em 2006 e no início deste ano.

Problemas na CEF com extratos e saques do FGTS – Devido às mudanças de razão social realizadas por causa de fusões e aquisições, alguns trabalhadores têm duas ou até três contas do FGTS, atreladas aos diferentes CNPJs utilizados nos últimos anos. Em alguns casos, saques realizados não constavam na movimentação registrada pela CEF. O banco prometeu sanar o problema.

Cobrança de metas de produção para os caixas – A cobrança de metas por caixas não é autorizada pelo banco. A posição foi reafirmada na reunião. Diante da prática indevida, o banco se comprometeu a reorientar a rede e os gerentes regionais.

Extrapolação da Jornada – Afirmou que a prática não é uma orientação da direção da empresa. A Contraf-CUT exigiu ação mais incisiva a respeito, o que fez o banco prometer uma mudança relacionada ao login dos computadores de cada funcionário.

Assédio Moral/Pressão – A Contraf-CUT reafirmou o absurdo que é a prática do assédio moral, de submeter pessoas à pressão sem limites e à humilhação. O banco se sensibilizou com a questão e disse não concordar com a prática.

PCS – A falta de transparência e clareza de alguns aspectos do Plano de Cargos e Salários (PCS) foi criticada pela Contraf-CUT. As distorções salariais e a criação de falsas expectativas também foram apontadas como problemas.

Segurança nas Agências – A reivindicação dos trabalhadores é o reforço dos procedimentos e do contingente de segurança nas agências garantindo a segurança de clientes e funcionários.

Acesso do Sindicato aos locais de trabalho – A demanda é que os dirigentes sindicais tenham acesso ao Santander Cultural e às Concentrações. A restrição configura prática anti-sindical.